Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
brasil-moro-bolsonaro
|

Nessa quinta-feira (01), desnudou-se completamente a fraude eleitoral e o próprio golpe de Estado.

O juizeco golpista Sérgio Moro aceitou ocupar o Ministério da Justiça, a convite de Jair Bolsonaro, e vai participar ativamente do novo governo de extrema-direita.

Segundo o vice-presidente eleito pela chapa de Bolsonaro, o general Hamilton Mourão Filho, sua equipe de campanha já havia sondado o juiz ainda durante as eleições. A imprensa capitalista também já especulava a indicação. Em entrevista recente, Bolsonaro já tinha dito que Moro poderia ser ministro da Justiça ou do STF em seu governo.

Esse episódio escancara de uma vez por todas a fraudulência das eleições. Sérgio Moro, o algoz de Lula, condenou e prendeu, sem provas e em aberta violação à Constituição, o ex-presidente justamente para que este não pudesse concorrer à presidência da República. Lula era o único candidato capaz de vencer Bolsonaro, mesmo com todas as fraudes e obstáculos impostos pelas instituições golpistas. Com Lula fora da corrida, o caminho ficou aberto para Bolsonaro vencer o pleito, beneficiando-se desta que foi a maior fraude destas eleições.

Moro foi parte fundamental da trama que colocou Bolsonaro no governo.

Mas não é somente a fraude eleitoral que ficou absolutamente nítida. O próprio golpe de Estado, que derrubou a ex-presidenta Dilma, também. Afinal, a operação golpista Lava Jato, foi um dos principais instrumentos pelos quais a campanha golpista se fundamentou. E Moro sempre esteve ativo em tal campanha, perseguindo Lula, Dilma e todo o Partido dos Trabalhadores.

Treinado, financiado e promovido pelo imperialismo norte-americano, Moro obteve sua grande recompensa. E mais: com a possibilidade de ocupar uma superpasta ministerial, que englobaria a Justiça e a Segurança Pública, o “Mussolini de Maringá” poderia até mesmo comandar, ou ao menos participar, da Força-Tarefa de inteligência decretada por Temer no último dia 15, a qual contará com os principais órgãos de repressão do Estado, como a Abin, a Polícia Militar, a Polícia Federal e as Forças Armadas, e servirá para perseguir violentamente os movimentos populares e a população em geral.

Ainda segundo especulações da imprensa burguesa, já haveria a possibilidade de Moro se candidatar à presidência da República caso haja eleições em 2022 (uma vez que o cenário político é caótico e que há a possibilidade de um golpe militar), sucedendo Bolsonaro caso este não se reeleja. Obviamente que isso ainda é especulação, mas mostra o conluio entre todos esses golpistas para dar continuidade e aprofundar o golpe de Estado.

Não era a toa que o PCO já vinha, há algum tempo, denunciando o caráter fascista da Lava Jato e do próprio Sérgio Moro. Agora esse caráter está definitivamente comprovado.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas