Fraude elege chapa do Banco Brasil para a Cassi

cassi

O resultado da eleição para a Caixa de Assistências dos Funcionários do Banco do Brasil (CASSI), que teve como vencedora uma das chapas da direita, revela a fraude das eleições controlada pela direção golpista do banco.

Esse diário vem sistematicamente denunciando o aprofundamento da política de ataques da direita golpista, a frente da diretoria do Banco do Brasil, contra os trabalhadores e suas organizações. Todos esses ataques visam levar uma situação de terra arrasada para os trabalhadores para satisfazer meia dúzia de parasitas capitalistas que tem como um dos fundamentos a privatização das empresas estatais. Para que isso acontece é necessário, para os golpistas, liquidar, no caso dos bancos estatais, com os planos de assistência e pecúlio dos seus funcionários.

A eleição da Cassi que terminou no dia 28 de março com a vitória da direita, representada pela Chapa 4 “Mais união”, é composta por funcionários aposentados, todos, sem exceção, exerceram altos cargos de chefias, ou seja, uma chapa patronal. Se dizem “independentes” de partidos, sindicatos, associações (traduzindo: descolada das organizações dos trabalhadores) e por trás dessa independência a completa subserviência à diretoria do banco, e não tenhamos dúvidas, ligada a partidos golpistas de direita tais como o PSDB, PMDB, PP, etc.

É uma chapa com propostas totalmente antagônicas aos interesses dos trabalhadores, mesma política defendida pelo governo golpista de Michel Temer de que os representantes das organizações dos trabalhadores devem ter um perfil técnico voltado para o mercado, diga-se, entregar o controle da Cassi nas mãos dos banqueiros privados. Uma prova disso é o primeiro ponto do programa da chapa sobre o “novo modelo de custeio para o Plano de Associados: propõe que a taxa de contribuição não seja fixada no Estatuto da Cassi, mas sim nos orçamentos anuais, com base na realização de um estudo atuarial prévio, que aponta qual o montante previsto para o próximo exercício, denominado ‘receita de equilíbrio’”, ou seja, pretendem acabar com o regime de Solidariedade do plano em que aposentados e ativos descontam o mesmo percentual de 3,5% dos seus vencimento passando a impor a cobrança por dependentes, cobrança diferenciada por faixa etária, etc.

O resultado revela a fraude da eleição quando a chapa do banco, que fora vencedora, obteve 36.942 votos sendo 15.471 dos funcionários ativos e 21.471 votos dos aposentados, enquanto que a chapa apoiada pelas organizações de luta dos trabalhadores, Chapa 1, obteve 30.632 votos, sendo 22.897 de ativos e 7.735 dos aposentados.

Primeiramente é bom esclarecer que todo o processo eleitoral é controlado diretamente pela direção do banco onde a votação é feita eletronicamente no sistema do próprio banco, para os da ativa, e para os aposentados a votação através dos terminais de autoatendimento nas agências bancárias.

O que mais chama atenção é a quantidade de aposentados, 21.471, que deram os seus votos para a chapa do banco, fato inédito em todos os processos eleitorais da Cassi. Uma diferença muito grande para o segundo colocado com apenas 7.735 votantes aposentados, a mesma coisa acontecendo para as demais chapas. Esse número deixa claro que houve uma deliberação por parte das superintendêcias do banco pressionar as gerências das agências em trabalhar para que um maior número de aposentados votasse nas agências.

A fraude na eleição é a prova de quanto se aprofunda a crise do capitalismo e com isso o aumento da necessidade dos patrões em procurarem uma saída através de um maior ataque às condições de vida dos trabalhadores. Com a eleição da chapa da direita, a direção do BB procura abrir caminho para derrubar mais uma conquista histórica da categoria, que foi fruto da luta de gerações passadas e entregar para os banqueiros privados.

Estamos diante de um momento decisivo. É necessário lutar para derrotar os planos dos golpistas de liquidação do plano de saúde construído pelos trabalhadores, que vem sendo atacado sistematicamente pela política de rapina da direção do banco. Somente a luta contra a direção do banco é que irá manter a Cassi. Foi a iniciativa e a luta dos trabalhadores do BB que conquistou a Caixa de Assistência e todos os seus direitos e será com a mobilização que esses direitos serão garantidos.