Crise
No verão, a empresa farmacêutica com sede na capital anunciou o fechamento de mil empregos
sanofi
Sanofi | Foto: Reprodução
sanofi
Sanofi | Foto: Reprodução

A Confederação Geral do Trabalho (CGT) da França, hoje, convocou um protesto contra a decisão da empresa farmacêutica transnacional Sanofi de cortar 400 postos de trabalho, em um momento em que se espera que ela seja vacinada contra a Covid-19.

O sindicato, um dos dois maiores do país, está planejando uma greve a partir de amanhã contra a medida, que descreve como inaceitável, enquanto a mídia aponta o atraso da transnacional na corrida global para criar agentes capazes de proteger as pessoas do ataque do coronavírus SARS-CoV-2, que causa a doença.

A eliminação de postos estaria no setor de pesquisa e desenvolvimento, o que gera raiva particular entre sindicalistas como o secretário-geral da CGT Philippe Martinez, que sugere uma ligação entre a eliminação de postos e o atraso na vacinação da Sanofi.

No verão, a empresa farmacêutica com sede na capital anunciou o fechamento de mil empregos, incluindo os 400 mencionados acima, mas sua liderança não confirmou ou negou as informações que têm circulado nas últimas horas.

Para o delegado da CGT-Sanofi, Thierry Bodin, a decisão da transnacional é inaceitável e tem entre suas consequências a perda de valiosa experiência em pesquisa e desenvolvimento.

Além da rejeição de cortes de empregos, o sindicato está exigindo um aumento salarial, uma exigência que está incluída na greve planejada para amanhã.

Relacionadas
Send this to a friend