Oriente Médio
Presidente da França tenta tomar conta do regime político libanês para aumentar o controle do imperialismo francês no regime capitalista mundial
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
French President Emmanuel Macron is seen after casting his ballot, during the first round of the mayoral elections in Le Touquet, France, March 15, 2020. REUTERS/Pascal Rossignol/Pool
Macron, presidente francês | Foto: reprodução

Desde a explosão ocorrida no porto de Beirute, o presidente Francês Emmanuel Macron vem tentando aumentar sua influência na ex-colônia francesa e tomar conta do regime político no país. O imperialismo francês, aliado ao restante do imperialismo internacional, conseguiu em um primeiro momento derrubar o primeiro-ministro do país, Hassan Diab e colocar em seu lugar o ex-diplomata alemão Mustapha Adib.

Adib prometeu seguir a política do FMI e do próprio presidente francês, realizando reformas econômicas e políticas que beneficiam o imperialismo. Ambas as reformas são exigências para que o país tenha acesso a empréstimos e consiga reconstruir o porto.

No entanto, a política de Macron não para somente nas reformas. Após o golpe de estado no Mali que derrubou o primeiro-ministro Boubou Cissé e fez o presidente Ibrahim Boubacar Keïta renunciar, ambos aliados do governo francês, o imperialismo da França vê a necessidade de reparar as perdas e conseguir um maior controle no Oriente Médio, no Sahel e no Norte da África. Por isso é importante para o imperialismo francês o controle da política do Líbano, como na época em que o país era sua colônia.

Para isso, o presidente da França tenta conquistar o apoio da extrema-direita, realizando, inclusive, um abaixo-assinado que pedia a volta do pacto colonial entre Líbano e França. Mas, além da extrema-direita, Macron tenta o apoio também da burguesia libanesa em partidos cristãos maronitas, sunitas e, inclusive, tenta o apoio do Hezbollah, partido com maior peso político no Líbano.

O Hezbollah, no entanto, é um partido fortemente ligado à causa palestina e é um grande aliado do Irã e da Síria no Oriente Médio, o que pode fazer com que o partido não faça nenhum tipo de acordo com a França. Outro setor que pode fazer barrar uma aliança entre frança e Hezbollah é Israel, que agora tenta apoio de países árabes na região, como os Emirados Árabes.

A crise no Oriente Médio é uma das maiores de todos os tempos, o que coloca em cheque a dominação do imperialismo na região e faz com que esse setor tente fechar ainda mais o cerco para não perder o controle político.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas