França: polícia de Macron invade casa de ex-candidato de esquerda à presidência

mm_3

Nesta terça-feira (16), a casa do deputado francês e líder do partido La France Insoumise (LFI- A França Insubmissa), Jean-Luc Mélenchon, assim como a sede do partido, foram invadidas pela polícia francesa.

Méleonchon acordou com nove policiais em sua porta e que revistaram sua casa por inteiro. No mesmo dia a polícia também enviou agentes para a sede do LFI, onde Mélenchon, e os demais políticos que ali estavam, bateram de frente e protestaram contra a invasão.  No ato, o líder do partido denunciou as ambições políticas por trás do acontecimento, sendo o seu partido um dos principais opositores ao “La Republique En Marche !” (A República em Marcha !), partido de Emmanuel Macron, atual presidente da França.

O LFI está sob duas investigações jurídicas diferentes e simultâneas, a primeira acusando o partido de ter funcionários fantasmas, a segunda investigando “irregularidades” financeiras na campanha eleitoral de Mélenchon durante sua participação na corrida presidencial de 2017.

Após os eventos ocorridos o deputado demonstrou sua indignação no Plácio Bourbon, casa da Assembleia Nacional da França. “Eu sou um ser-humano, estou magoado pelo que aconteceu. Não somente por mim; pelos meus amigos, meus companheiros de combate”. “Nós somos todos investigáveis, mas não somos obrigados a participar dessa encenação”, disse ele, acusando a polícia de ser uma “polícia política”.

A perseguição à esquerda está seguindo o mesmo roteiro no mundo inteiro . Abrem-se vários inquéritos contra um dirigente partidário ou líder político; a polícia e a justiça passam por cima dos procedimentos judiciais tratando o investigado como se fosse uma figura de alta periculosidade ignorando seus direitos políticos e democráticos; é feita uma encenação midiática para justificar a perseguição; e aos poucos a esquerda vai sendo minada e encurralada pela direita que domina as instituições burguesas.

Macron foi uma grande sacada da direita imperialista francesa. Conseguiram eleger um candidato desconhecido e sem popularidade disfarçando-o de progressista, enquanto apresentavam um adversário espantalho endemoniado – nesse caso foi a Marine Le Pen, candidata do Front Nacional, um partido de extrema-direita que sempre ocupou o papel de bicho-papão nas eleições francesas para que a burguesia pudesse eleger seu candidato de preferência. Agora eleito ele põe em prática uma política de austeridade e perseguição aos direitos trabalhistas do proletariado francês, enquanto estabelece um estado policialesco para perseguir a esquerda.