França: com dificuldade para reprmir, Macron aumenta salário de policiais, mas não segura a crisei

1039327616

A cada dia que passa a situação piora para o governo Macron. As manifestações que ocorrem na França alcançaram tal estágio que obrigou a polícia e demais Forças da Ordem a se paralisarem. Os policiais iniciaram esta semana suas próprias greves. Grupos estão se formando para levar adianta reivindicações contra o governo. “Gyros bleus” (gyros azuis), assim foram apelidados os membros das Forças da Ordem que estão paralisados contra Macron.

A associação “Mobilisation des policiers en colère” (MPC – Associação dos policiais encoleirados), é uma das principais organizações que está tomando a dianteira. As manifestações estão agrupando guardas, policiais municipais, agentes penitenciários, militares e seus respectivos familiares.

Um protocolo foi assinado nesta quarta (19) prevendo um aumento no salário de 120 para os agentes em início de carreira chegando até 150 para patentes mais altas, porém assim como os demais manifestantes, a polícia não está satisfeita com migalhas. Os principais pedidos são o aumento do efetivo, aumento de salário, melhorias nos equipamentos e infraestruturas, que no presente momento estão em péssimas condições. Além do aumento, o parlamento francês aprovou um regalo de 300 euros para aqueles que trabalharam na repressão das últimas manifestações dos coletes amarelos.

Essa movimento das forças repressivas do Estado francês é um reflexo que indica a incapacidade dos policiais de conter a revolta popular. O contingente e os equipamentos não dão conta dos milhares que inundam as ruas. Os estudantes, operários e demais trabalhadores não estão se deixando intimidar pela política agressiva do neoliberalismo, e estão reagindo de forma incendiária a quaisquer tentativa de repressão das reivindicações populares. Os ditos agentes da ordem se encontram contra a parede nas manifestações, e o fato de estarem em menor quantidade, e muitas vezes terem que enfrentar os próprios familiares, dado as proporções que tomou a revolta, tornou inviável e indesejável a proteção do Estado.

A V° República não consegue mais se sustentar à base de migalhas e truculência para o povo. A política tradicional francesa encontrou um impasse que deve ser resolvido o quanto antes para que possa sobreviver. A crise chegou ao ponto dos policiais e demais agentes repressivos pedirem arrego tamanha são as manifestações. O povo francês aponta o caminho: lutar contra os golpistas, derrotar a burguesia e imperialismo.