Siga o DCO nas redes sociais

Liberdade de Lula
Fortalecer os mutirões para realizar um grande ato em Curitiba
Os mutirões pela liberdade de Lula foram um grande fator de mobilização para o ato do dia 14 pela liberdade de Lula e devem ser fortalecidos para o próximo ato dia 27/10.
mutirão paulista
Liberdade de Lula
Fortalecer os mutirões para realizar um grande ato em Curitiba
Os mutirões pela liberdade de Lula foram um grande fator de mobilização para o ato do dia 14 pela liberdade de Lula e devem ser fortalecidos para o próximo ato dia 27/10.
Mutirão realizado na avenida Paulista. Foto: arquivo DCO.
mutirão paulista
Mutirão realizado na avenida Paulista. Foto: arquivo DCO.

A Plenária Nacional Lula Livre, ocorrida neste último sábado (21/09) em São Paulo e que contou com a participação dos comitês de luta contra o golpe e Lula livre de todo o país, partidos de esquerda e movimentos sociais, decidiu pela realização de um novo ato pela liberdade de Lula em Curitiba no dia 27 de outubro, data do 74º aniversário do ex-presidente e preso político, Luiz Inácio Lula da Silva.

Um bom exemplo de mobilização e organização, que permitiu o sucesso do ato nacional pela liberdade de Lula ocorrido no último dia 14 foram os mutirões realizados por mais de 3 meses consecutivos aos domingos por todo o país.

Os mutirões pela liberdade de Lula foram uma importante ferramenta de mobilização e agitação política para realizar o ato nacional pela Liberdade de Lula e contra a farsa da Operação Lava Jato, realizado em Curitiba no último dia 14 em frente ao prédio da polícia federal. Inclusive, foram um instrumento fundamental para pegar contatos de pessoas interessadas em participar do Ato Nacional, organizar caravanas e a campanha financeira para viabilizar essa enorme atividade.

Os mutirões servem, ainda, para organizar os militantes e pessoas que querem fazer algo diante da direita, mobilizar e mostrar para os trabalhadores que há um movimento de luta para fazer frente aos ataques da direita, particularmente em um momento de enorme crise do governo Bolsonaro e da operação Lava-Jato, responsável por prender Lula.

No entanto, é preciso que novos comitês sejam formados e multiplicados em todo o país para fazer crescer o movimento de luta contra o golpe e pela liberdade de Lula. E assim organizar um grande ato em Curitiba com milhares de pessoas e que voltarão aos seus locais com a tarefa de organizar mais comitês e lutar pela liberdade de Lula.

Lula não será solto e a direita não será derrotada nas eleições, pelo judiciário ou muito menos no parlamento tomado pelos bolsonaristas. A única maneira é mobilizar a população nas ruas e libertar o principal alvo da direita, Lula.