Menor custo maior lucro
Depois de ter lucrado muito por muitas décadas, fecha as portas e vai bater em outra freguesia buscando faturar mais com o menor custo. As consequências sociais não importam.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
14400327694_471599454c_e (1)
Placa da Ford | Foto: Mike Mozart/JeepersMídia

As matérias nos jornais Brasil 247, O Globo e mesmo na página oficial da empresa na internet, informam que a Ford fechará as fábricas de São Paulo, Bahia e do Ceará, deixando de produzir automóveis no Brasil. O abastecimento do país será com veículos importados da Argentina, Uruguai e outros países. Permanecerão em funcionamento a sede regional em São Paulo, o centro de desenvolvimento de produtos na Bahia e o campo de provas em Tatuí/SP.

A página oficial da empresa alega que por motivos de reestruturação regional e adequação de novas tecnologias. O jornal Brasil 247 alerta que a empresa recebeu desde 1999 R$ 20 bilhões em incentivos fiscais conforme dados da Receita Federal, em 2019 fechou a fábrica de São Bernardo e que com o fechamento dessas fábricas milhares de trabalhadores irão ficar desempregados.

Matéria do jornal O Globo anuncia que o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) solicitou explicações à Ford, já que havia contraído empréstimos entre 2014 e 2017 com cláusulas de garantia de emprego no valor de R$ 335 milhões, e não havia sido notificado do fechamento da empresa, e que isso levará ao desemprego cerca de 5 mil trabalhadores. O banco informa que existem outros contratos no valor de R$ 54,2 milhões e ainda não recebeu resposta da montadora.

O jornal informa que fez levantamentos e concluíram que são cerca de R$ 3,5 bilhões em empréstimos do BNDES à Ford desde 2002 e que se referem apenas aos 20 maiores. Em outra matéria entrevista o economista Alexandre Chaia, professor do Insper que afirma que a saída da Ford do país apesar da dificuldade de se adaptar às novas tecnologias revela a desconfiança no Brasil, já que mantém a produção nos países vizinhos. Alega os problemas com a tributação e a perda de renda do país.

A decisão da Ford de abandonar a produção de automóveis no Brasil parece ter surpreendido o mercado, o governo e os 5 mil trabalhadores que perderão o emprego. O próprio General Mourão, vice-presidente, disse em matéria no jornal que eles poderiam esperar mais tempo para a decisão, afinal ganharam muito dinheiro com o país.

De fato, a Ford iniciou a produção brasileira em 1919 com investimento de US$ 25 mil, num galpão na rua Florêncio de Abreu em São Paulo, produzindo o modelo T. Em 1968 compra a fábrica da montadora Willys e seu projeto do modelo Corcel, em São Bernardo do Campo/SP . Em 1974 inaugurou a fábrica de Taubaté/SP com a promessa de investimentos de US$ 400 milhões. Tudo isso com financiamentos e incentivos do estado. E tornou-se uma das maiores no mercado brasileiro e até mundial. Faturaram muito dinheiro ao decorrer de décadas.

Com altos faturamentos seguidos a tendência é de se acomodar, e com isso as montadoras americanas e européias acabaram perdendo terreno para as montadoras asiáticas, que apresentaram melhores carros para a população, ganhando o mercado dos concorrentes.

Mas no Brasil, conseguiram impedir o desenvolvimento desse tipo de indústria, por várias vezes brasileiros tentaram produzir veículos nacionais mas foram boicotados pelas montadoras monopolistas e pelo estado. Casos como a Engesa, Envemo e Gurgel não tiveram o mesmo benefício de financiamento barato e isenções fiscais por parte do governo.

As montadoras faturam por décadas no mercado nacional, oferecendo carros piores que os que vendem acima da linha do Equador e muito mais caros e não permitem que a indústria nacional se desenvolva. 

Como bem lembrado por Rui Costa Pimenta na 3ª aula do curso “O que foi o Stalinismo”, pela internet, os monopólios controlam todo o mercado e não permitem que novas empresas consigam se estabelecer. Para isso fazem concorrência desleal, usam seus políticos apadrinhados para dificultar a vida dessas novas empresas, quer nas documentações quer nos empréstimos bancários, enfim não têm limites para a eliminação da concorrência.

Chama a atenção que na imprensa, em lugar nenhum, haja associação dessa decisão com a crise econômica que vem desde 2008. Parece que não estamos em crise econômica e de pandemia. Só são apresentados argumentos relacionados com problemas internos da Ford não transparecendo que ela está sob influência do que acontece na economia, como a crescente desindustrialização que passa o Brasil e o mundo.

Também não há manifestações das centrais sindicais, pois serão cerca de cinco mil desempregados nessa indústria, fora os bancários do Banco do Brasil e da Caixa Federal e tantos outros que já perderam o emprego. Será que as Centrais Sindicais abandonaram de vez os trabalhadores à própria sorte? É tempo dos trabalhadores se organizarem em conselhos populares nas empresas, nos bairros e nas escolas e elegerem uma pauta de reivindicações e de luta, indo para as ruas lutar por seus empregos e direitos, caso contrário a fome e miséria irá dizimar toda a classe.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas