Armadilha
A esquerda caiu na armadilha da direita pois não tem um programa independente
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Paulista Avenue is seen empty on the first day of lockdown imposed by state government because of the coronavirus disease (COVID-19) outbreak, in downtown Sao Paulo, Brazil, March 24, 2020. REUTERS/Amanda Perobelli REFILE-CORRECTING STREET NAME
Quarentena. |

As ameaças de Bolsonaro de demitir o ministro da Saúde, luiz Henrique Mandetta, colocou mais uma vez a esquerda pequeno-burguesa a reboque da direita. Isso porque a esquerda entrou na campanha do “fica Mandetta”, sob o pretexto de ser contra Bolsonaaro, acabou defendendo um elemento de extrema-direita tão fascista quanto o próprio presidente golpista.

O debate em torno da queda ou não de Mandetta se deu em relação à política da quarentena e isolamento social e expressou a contradição no interior da burguesia, de um lado Bolsonaro e de outro a direita tradicional. Embora ambos não tenham uma política real para combater a epidemia, o setor da direita tradicional apresenta a quarentena como uma medida superfical para fingir que combate alguma coisa. Já Bolsonaro, obedecendo sua base social de capitalistas menores, preocupados com os prejuízos, defende a volta ao normal nas cidades.

Como fica claro, o debate é uma armadilha. Em primeiro lugar porque nenhum dos lados oferece uma real solução para o problema. Tanto os governadores da direita tradicional como os bolsonaristas querem matar o povo de fome e de doença. Medidas efetivas simplesmente não existem e sequer estão nos planos da burguesia.

Em segundo lugar, o debate é uma armadilha pois até mesmo os grandes capitalistas sabem que não irão sustentar por muito tempo uma política de isolamento. Tanto é assim que já começam a aparecer até mesmo por parte dos que até agora defendiam a quarentena um afrouxamento da medida. Os principais jornais já apresentam esse afrouxamento, Mandetta admitiu essa possibilidade.

A tendência é que com o desenvolvimento da situação as duas alas da direita golpistas cheguem a um acordo sobre a política de isolamento social. O pronunciamento de Bolsonaro dessa quarta-feira (8) mostrou essa tendência. Ele voltou a defender o fim do isolamento, mas deixou a responsabilidade para os governadores.

A esquerda pequenp-burguesa que caiu no debate isolamento e quarentena versus voltar tudo ao normal caiu na armadilha e acabou se colocando completamente a reboque da direita tradicional.

O debate, no meio da esquerda, vai se tornando cada vez mais acadêmico, ou seja, sem um conteúdo real, concreto. Isso porque, enquanto a esquerda discute, a burguesia vai aos poucos retomando a situação que em grande medida ela mesma nunca levou ao extremo, afinal a maior parte dos setores industriais sequer pararam de trabalhar nem um momento sequer.

Por isso, a discussão sobre a queda ou não de Mandetta, dada sobre a base da política de isolamento é também acadêmica. O governo Bolsonaro continuará aí, com ou sem Mandetta, e o próprio ministro da Saúde, tão fascista quanto o presidente, deve seguir para um acordo.

A esquerda caiu na armadilha pois não tem e não apresenta uma política independente. Um programa de luta que chame o povo a se mobilizar para enfrentar a crise e não ficar a reboque de todos os setores da direita que preparam o genocídio do povo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas