Internacional
Nesta terça iniciou-se mais uma jornada de greves e mobilizações contra a “reforma” da Previdência do governo neoliberal de Macron.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
8143627_x720
AFP |

As mobilizações e greves continuam na França contra a proposta do governo neoliberal de Macron de “reforma” da Previdência. Nesta terça-feira (17), se inicia uma nova jornada de mobilizações e greves de professores, trabalhadores dos transportes, médicos e magistrados.

Os transportes públicos no país estão praticamente paralisados. Verifica-se  620 km de engarrafamentos nas estradas da região de Paris.  Em diversas localidades, ocorrem bloqueios de estradas e confrontos com as forças de repressão. Os sindicatos e o governo acusam-se mutuamente pela paralisação do país e não há sinal de trégua até o momento, apesar das tentativas do governo de manobrar para esvaziar a mobilização e impor uma derrota ao movimento.

O movimento dos coletes amarelos tem entrado em cena nas ruas do país. Na atual etapa da luta em curso, a própria classe operária que se coloca em luta contra o governo.

A crise na França é expressão da crise capitalista que se manifesta no mundo todo. Na América Latina, o que se observa são levantes generalizados das massas populares contra os governos neoliberais, caso da própria França.

O que impede que a mobilização evolua e instaure uma crise revolucionária no país é a política conservadora das direções dos movimentos operário e sindical e da esquerda francesa, que não colocam a palavra-de-ordem de Fora Macron e ficam se limitando a uma luta por reivindicação parcial, caso da “reforma” da Previdência.

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas