Fora Bolsonaro: Roberto Campos, neto de funcionário do imperialismo é indicado para o Banco Central

banco_central_5_0

Da redação – Bolsonaro tem demonstrado que ele é a continuação do golpe de estado que derrubou Dilma Rousseff e prendeu Lula. Seu governo é um governo improvisado de última hora para não devolver o poder para o Partido dos Trabalhadores (PT). Além de latifundiários e militares, Bolsonaro tem em sua base de governo também representantes diretos do capital financeiro, como por exemplo Paulo Guedes.

Entretanto, hoje, Bolsonaro indicou o economista Roberto Campos Neto para comandar o Banco Central. Campos Neto é executivo do banco privado Santander. É neto do famoso Roberto Campos ministro do Planejamento do General Castelo Branco e parlamentar na época da ditadura militar. O avô, havia sido apelidado de Bob Fields em alusão ao seu profundo alinhamento com os interesses do imperialismo norte-americano. Isto porque Bob é o apelido de Robert nos Estados Unidos, e Fields é a tradução inglesa para Campos.

Ou seja, quem irá comandar o Banco Central do Brasil será um dirigente da banco, com tradição familiar nos ofícios da burguesia imperialista norte-americana. Percebe-se então que o governo Bolsonaro não é nem de longe patriota e nacionalista, como alguns direitistas procuram apresentar. Pelo contrário, é um governo de alinhamento com os interesses do imperialismo norte-americano, e portanto um governo de profundos ataques aos trabalhadores, que irá fazer prevalecer os interesses dos sangue-sugas banqueiros aos da classe operária.

Com a autonomia do Banco Central proposta pelos golpistas, o órgão será um instrumento do imperialismo para atacar o povo.