Fora Bolsonaro: quem deve ser expulsa é a direita golpista, não os médicos cubanos

IF_Medicos_cubanos_Viajam_Haiti_Foto_Ismael_Francisco_08102016-1-1

Jair Bolsonaro foi eleito em meio a maior fraude eleitoral da história do País. Ele foi escolhido pela burguesia e pelo imperialismo para continuar e aprofundar a política que vem sendo imposta desde o impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff.

O regime que virá, a partir de 1º de janeiro, como extensão e ampliação da política de Michel Temer, será um regime de profundos ataques à população brasileira. Isso vem sendo comprovado sistematicamente desde a campanha eleitoral do político fascista.

Temer destruiu grande parte do sistema de saúde público com sua política neoliberal, com o desmanche de diversos programas criados durante os governos do PT. Entre os ataques mais evidentes, encontra-se o congelamento dos gastos públicos por 20 anos, afetando especialmente a educação e a saúde.

Por sua vez, uma das primeiras medidas anunciadas por Bolsonaro foram as mudanças na política do programa Mais Médicos, estabelecido pelo governo Dilma Rousseff e que tinha como uma característica fundamental a participação de milhares de médicos cubanos, que foram enviados pelo governo de Cuba para atender à população mais pobre e carente nos lugares mais remotos do Brasil.

As condições impostas por Bolsonaro, ignorando completamente o caráter da missão médica cubana, para a manutenção do programa, foram pensadas para que o governo cubano não as aceitasse, como disse em entrevista a este diário a médica cubana Dainerys Sandoval. Diante da violação do acordo e dos constantes ataques da extrema-direita, o governo de Cuba decidiu recolher a missão médica, não deixando de ser um protesto significativo contra a fraude eleitoral que impôs Bolsonaro.

É preciso deixar claro que foi Bolsonaro e a extrema-direita golpista os que expulsaram os médicos cubanos do Brasil. Desse modo, cerca de 28 milhões de brasileiros – majoritariamente a população mais pobre do País, que sempre, antes da chegada dos cubanos, havia sido deixada para morrer sem qualquer cuidado de saúde – voltarão a ser tratados como indigentes, sem acesso a uma saúde minimamente digna.

Esses médicos, no pouco tempo que permaneceram no Brasil, fizeram muito mais pelo povo brasileiro do que esses parasitas jamais fizeram e jamais pensarão em fazer. Porque Bolsonaro e toda a direita golpista desprezam o povo e estão aí para esmagar qualquer direito da população, estão aí para entregar o País aos seus patrões imperialistas.

Quem deve ser expulso é Bolsonaro e todos os golpistas! O movimento popular deve iniciar, desde já, uma ampla campanha de denúncia da expulsão dos médicos cubanos por Bolsonaro, uma vez que essa medida é extremamente impopular, e, diante disso, exigir a derrubada desse governo ilegítimo que está tomando o poder por meio de eleições fraudulentas para dar continuidade ao golpe.