Fora Bolsonaro e todos os golpistas: é preciso impedir Bolsonaro de governar

"Diálogo da Indústria com os candidatos à Presidência da República", promovido pela CNI

Bolsonaro não é um presidente legítimo. Ele venceu as eleições de maneira absolutamente fraudulenta. A burguesia o escolheu, após duros embates internos, como o grande candidato para dar continuidade e aprofundar o golpe de Estado.

Ele está onde está agora impulsionado e fortalecido pela direita que deu o golpe e derrubou a presidenta legítima, Dilma Rousseff, em 2016. Bolsonaro é um filhote do golpe. Do mesmo golpe que controlou com mão de ferro este processo eleitoral e retirou qualquer possibilidade de a esquerda sair vencedora. A fraude mais escancarada foi a prisão e inelegibilidade do ex-presidente Lula, maior líder popular da história do País e favorito da esmagadora maioria da população para que fosse novamente presidente da República.

O presidente do Brasil deveria ser Luiz Inácio Lula da Silva. Os golpistas o tiraram do processo de maneira totalmente ilegal e antidemocrática, rasgando mais uma vez a constituição e atropelando a vontade popular.

Não existe verdadeiro apoio popular a Bolsonaro. Até mesmo Fernando Haddad, substituto de Lula e praticamente desconhecido por boa parte da população, que fez uma campanha burocrática quase sem atos de rua, mostrou ter mais apoio popular do que o golpista da extrema-direita.

Bolsonaro é uma fraude em si. A antítese do nacionalista, é um entreguista capacho do imperialismo norte-americano. Ao contrário da vontade popular, vai privatizar as empresas públicas, entregá-las aos Estados Unidos, retirar o que sobrou dos direitos trabalhistas, aprovar a reforma da previdência, massacrar os protestos populares, exterminar os sem terra, impor uma ditadura nas escolas. E muito mais ataques.

O governo Bolsonaro será uma afronta à população. Cada dia de governo Bolsonaro significará um retrocesso de um ano dos direitos democráticos mais elementares do povo. É preciso impedi-lo de governar. O movimento popular, encabeçado pela classe operária e seus poderosos instrumentos de luta como a CUT, e também o MST, a Frente Brasil Popular e os partidos de esquerda, devem, desde já, iniciar uma ampla mobilização para derrotá-lo.

Só as massas oprimidas organizadas e nas ruas poderão colocar abaixo o governo golpista de Bolsonaro. Só a mais profunda e rigorosa mobilização popular poderá derrotar o governo de Bolsonaro e da direita golpista, derrubar o golpe, encerrar o saque imperialista e colocar no poder um governo verdadeiramente representante das amplas maiorias, um governo dos trabalhadores e das massas populares.