Polêmica
O “Fora Bolsonaro e Mourão” sem chamar fora todos os golpistas e novas eleições representa ficar a reboque de Maia e do Centrão.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
pstu
PSTU |

Quando se fala de luta pelo poder, a esquerda brasileira, em especial os agrupamentos da esquerda pequeno burguesa estabeleceram como norma a esquiva política, afiançando ruidosamente uma posição, mas escamoteado às conclusões fundamentais da posição política adotada. Esse método se repete diante do fracasso do governo Bolsonaro.

Ao passo que a crise se aprofunda, a palavra de ordem de Fora Bolsonaro é cada vez mais popular, o que levou a esquerda parlamentar e mesmo a ” esquerda radical”, depois de um formidável atraso, a fretar com o Fora Bolsonaro, aproximando-se mais da realidade.Apesar de ser um passo a frente, ainda tem uma série de limitações.

Primeiramente não existe uma campanha popular de mobilização popular pelo Fora Bolsonaro. Em segundo lugar, a questão mais grave e importante é que a esquerda parlamentar e a “radical” continua a reboque da direita. Assim, na definição dos mecanismos para derrubar o governo e o que se propõe colocar no lugar é sintomático do seguidismo política à burguesia que impera na esquerda.

Dessa forma, uma parte da esquerda parlamentar defende que o mecanismo fundamental para garantir a saída de Bolsonaro passa pela abertura do processo de impeachment no Congresso Nacional dominado pelo centrão. Esta é posição  da esquerda institucional é representada por uma parcela de parlamentares do PT e do PSOL. O impeachment de Bolsonaro teria como resultado  a posse do vice, Mourão Filho. Como resultado político, teríamos a manutenção da política  bolsonarista sem Bolsonaro.

Do mesmo modo, a esquerda pequeno burguesa ( PSTU, setores do PSOL e PT) apresenta a posição de “ Fora Bolsonaro e Mourão”, acontece que essa palavra de ordem não  propoe a convocação de novas eleições, o que na prática permite que o poder passe para os golpistas que controlam o Congresso Nacional, e são cumplices de Bolsonaro nos ataques aos trabalhadores. Não convocar novas eleições  seria indicar que o Centrão, através de  Rodrigo Maia, como presidente da Câmera dos Deputados assuma no lugar de Bolsonaro.

Após a participação de Bolsonaro nos atos pedido o fechamento do congresso e do STF no último dia 19 de abril, a esquerda pequeno burguesa que se contentam em “ mobilizar” pelo Fora Bolsonaro nas redes sociais e batendo panelas nas janelas dos apartamentos estão cada vez mais exasperadas.

“ É preciso que os partidos de oposição e as organizações da classe trabalhadora coloquem em marcha uma ampla campanha de massa pelo Fora Bolsonaro e Mourão. É preciso um dia unificado de protesto, se não é possível ir às ruas, façamos nas janelas de todo o país, reunindo também os trabalhadores dos setores não-essenciais obrigados por seus patrões e o governo a trabalharem.  Fora Bolsonaro e Mourão! “ (fora-bolsonaro-e-mourao-ja-em-defesa-da-vida-e-contra-autogolpe/ site pstu)

Chama atenção não somente o caráter da proposta, mas a completa falta de ação mobilizadora da “luta” proposta pelo PSTU para fazer frente a escalada golpista de Bolsonaro. “ O gesto de Bolsonaro neste domingo reafirma a necessidade de uma campanha de massa para retirá-lo de lá” (idem). Observe que “a campanha de massa para retirá-lo de lá “ é completamente imobilista, pois propõe que os “ partidos da oposição e as organizações da classe trabalhadora” derrubem um governo através de um protesto de um dia nas janelas. “É preciso um dia unificado de protesto, se não é possível ir às ruas, façamos nas janelas de todo o país”. Essa proposta seria cômica se não fosse trágica.

Entretanto, a questão de fundo é conteúdo da proposta morenista ( e seus colegas da esquerda pequeno burguesa) para luta pelo poder. Neste ponto não deixa de ser curioso como o PSTU é o partido das fórmulas aparentemente radicais, mas no fundo completamente ocas, e invariavelmente servem para ocultar uma profunda capitulação política.

De tal modo, “Fora Bolsonaro e Mourão” não coloca de forma alguma uma alternativa democrática para a falência do governo Bolsonaro. Isso devido ao fato que não defender a convocação de novas eleições, como faz  o PSTU, isso significa  efetivamente  a entrega do poder para o centrão, através de Rodrigo Maia. A política correta não pode ser ficar a reboque da direita, mas intensificar  a luta pelo  Fora Bolsonaro, e  pelo fora todos os golpistas com a convocação de eleições gerais

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas