Fome volta a castigar o povo
Lutar pelo Fora Bolsonaro entre os moradores do campo é crucial para reduzir os índices de pessoas famintas no país.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Fome_brasil (1)
Com o governo Bolsonaro, a fome no país aumentou 43% | Arquivo/Agência Brasil

De acordo com pesquisas divulgadas na última quinta-feira, 17/09, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) através de levantamentos realizados pela Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), os índices de pessoas em situação de fome dispararam logo após o desfecho do golpe de estado de 2016, que abreviou o governo petista e impulsionou políticas neoliberais e de destruição dos direitos do povo em todo o país. Os dados mostram que entre 2017 e 2018,  10,3 milhões de cidadãos brasileiros entraram para as estatísticas de insegurança alimentar, condição na qual a pessoa passa ou tem grandes chances de passar fome, e, deste total, 2,6 milhões são moradores do campo, isto é, camponeses, indígenas e quilombolas. A precariedade alimentar aumentou 43% em cinco anos, atingindo 4,6% dos domicílios no país, totalizando 3,1 milhões de residências. Esses dados desconsideram as pessoas moradoras de rua, o que aumentaria significativamente os números apresentados.

Comparando com áreas urbanas, a pesquisa mostra que os índices de restrições de acesso a comida e vulnerabilidade alimentar grave no campo é muito maior, sendo 7,1% contra 4,1% nas cidades. A pesquisa mostra que a fome em todos os níveis atingiu 44% das famílias residentes na zona rural. Se observarmos os dados apresentados antes do golpe de estado, através da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), notamos que  a realidade do trabalhador brasileiro tem sido de piora gradativa e precarização desde então, já que em 2013, os mesmos índices eram de 5.5% no campo e 2.8% nas cidades. A mesma pesquisa recente do IBGE indica que o medo de inanição, ou seja, o receio de passar fome, chegou a 36,7% entre 2017 e 2018 nos lares brasileiros, valores equivalentes a 25,3 milhões de residências. Antes do golpe de estado, estes números estavam em queda e, em 2013, os índices eram de 22,6%. 

Vale ressaltar que os dados sobre a fome divergem entre as regiões do país. A região norte, com 10,2%, e nordeste, com 7,1%, são as mais afetadas dentre os 3,1 milhões de domicílios identificados em situação de insegurança alimentar. Ambas as regiões refletem a realidade nacional:  estavam em situação de melhora antes do golpe, mas refluíram. Em 2013, por exemplo, em um dos melhores resultados, a sensação de segurança alimentar estava em 63% nestas regiões, já em 2017 e 2018, após o golpe de estado, os números regrediram para 43%. 

Vale ressaltar que, enquanto a fome se alastra entre todos os brasileiros em todas as regiões do país, a realidade dos moradores do campo é ainda mais castigante. Primeiro, diferente de grandes metrópoles, o morador do campo não possui inúmeras opções de consumo alimentar e, muito frequentemente a cesta básica é mais cara em zonas rurais. Paralelamente a isso, sob o governo bolsonarista, não há qualquer política pública que auxilie o morador do campo, agricultores familiares e feirantes. Ao contrário, o presidente posterga e veta auxílios destinados a população da zona rural em vulnerabilidade pelo isolamento social em razão da pandemia do Covid-19, como o Projeto de Lei 735/2020, proposto por deputados petistas e que previa, entre outros, auxílio emergencial aos moradores do campo durante a Pandemia. 

Diante de tanto descaso, é preciso levantar a palavra de ordem  “Fora Bolsonaro” e todos os golpistas, pois erradicar a fome e manter a dignidade do povo deveria ser o lema básico de qualquer governante minimamente preocupado com o povo. Neste quesito, temos razões suficientes para dizer que, desde o golpe de 2016, nem Temer nem Bolsonaro governam pelo povo, mas sim em função de castigar a população para manter os lucros dos bancos e grandes capitalistas. O problema da fome no país, assim como em todo o mundo, não se relaciona com falta de alimento. É sabido que grande parcela dos alimentos produzidos no mundo viram lixo, ou seja, sobra comida no mundo. A fome é um sintoma do capitalismo que comercializa a existência do ser humano e limita a distribuição da comida seguindo padrões econômicos, ou seja, quem tiver como pagar, se alimenta, e os demais, que morram de fome. O ser humano deve ser tratado com dignidade e alimentar-se deve ser visto como direito social, não como serviço do sistema de capital.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas