Em defesa da Frente Ampla
Folha usa agência de “anti-fake news” para mentir contra o PCO e defender Boulos e a frente ampla.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
3zr53wne1gveo3et5nje3ezuv
Matéria da Folha demonstra real posição da burguesia a favor do golpe. | Divulgação

Em matéria publicada pela Folha de S. Paulo, o dirigente do PCO e candidato a prefeito na cidade de São Paulo, Antônio Carlos, foi atacado por supostamente ter mentido ao declarar que Boulos defendeu o golpe de Estado, e denunciar os ataques promovidos pelos golpistas.

A matéria surge logo após a uma sabatina realizada pela Folha em parceria com o UOL. Antônio Carlos criticou as alianças com os golpistas, denunciou a cláusula de barreira, a violência policial, etc. Em cima destes temas, o jornal golpista decidiu por “inspecioná-los” por meio de sua agência “anti-fake news”, a Lupa.

A imprensa, para atacar o PCO, fraudou os dados ao colocar que o partido teria apenas candidatos em 15 capitais, quando na prática, está presente em 20. Além disso, buscou distorcer os dados apresentados por Antônio Carlos, em referência ao crescimento partidário.

O candidato do PCO, colocou de maneira clara que o partido é um dos que mais crescem percentualmente em todo País, principalmente, ligado a luta contra o golpe, pela Liberdade de Lula e pelo Fora Bolsonaro, travados após 2016. Contudo, a Folha, buscou distorcer estas informações e basear o crescimento do PCO, no número total de filiados.

Semelhante esquema cínico foi visto nos temas “repressão policial” e “espaço eleitoral”, onde o jornal buscou apresentar divergências “factuais” com o PCO, como uma maneira de atacar sua política. No entanto, o principal destaque girou em torno do problema Boulos, ou seja, a frente ampla.

Antônio Carlos colocou na sabatina que Guilherme Boulos foi, desde o início, um apoiador do golpe de Estado de 2016, e citou inclusive, declarações na imprensa onde o mesmo afirmava que “a pior coisa que se podia fazer era apoiar a Dilma”. A partir dessa declaração, a Folha saiu em defesa de Boulos dizendo não haver menção na imprensa sobre este ocorrido.

Em resposta, o PCO apresentou as declarações na íntegra do atual candidato do PSOL, onde afirmava justamente sua posição contrária ao governo Dilma, e sua indisposição de defende-lo frente ao golpe em marcha. Porém, novamente de maneira calhorda, a Folha de São Paulo buscou apresentar justamente uma outra parte da mesma declaração de Boulos, onde não citava um apoio ao golpe, mas “apenas” atacava abertamente o governo Dilma em pleno processo golpista.

A posição da Folha é esclarecedora, há uma defesa intransigente do golpe de Estado, presente no dito “jornal da democracia”. A defesa de Boulos por parte do jornal que levanta sua candidatura como forma de isolar o PT, deixa ainda mais claro a que serve a frente ampla e sua candidatura.

Guilherme Boulos foi um dos principais apoiadores do golpe no interior da esquerda, e hoje impulsiona uma campanha nacional de aliança com esta mesma burguesia golpista. Nada poderia ser diferente, e as acusações foras da realidade vindas da Folha e sua “Agência Lupa”, demonstram a política de conjunto de toda burguesia: defender o golpe.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas