Lula presidente
Em vez de pesquisar cenários eleitorais com o ex-presidente, jornal paulista sugere que a população brasileira o vê como culpado de uma sentença armada

Por: Redação do Diário Causa Operária

Mesmo depois da confirmação de que o ex-presidente Lula foi um preso político durante 580 dias, por ter sido julgado por um ex-juiz que não tinha competência territorial para julgá-lo e que também não foi imparcial durante o processo, o jornal Folha de S. Paulo contratou uma pesquisa do seu instituto Datafolha que tem como finalidade preparar um novo golpe judicial contra Lula, com o objetivo de retirá-lo das eleições presidenciais de 2022.

Em reportagem publicada nesta segunda-feira, a Folha informa que 57% dos brasileiros considerariam justa a condenação de Lula, sem informar que a absoluta maioria dos juristas do Brasil e do mundo já divulgou manifestos contra a prisão política do ex-presidente. A Folha também jamais informou que líderes globais de vários países, como os presidentes da Argentina e do México, Alberto Fernández e López Obrador, assim como o senador estadunidense Bernie Sanders, entre vários outros líderes globais, comemoraram o fim das condenações arbitrárias do ex-presidente, que tiveram como única finalidade retirá-lo da disputa de 2018, abrindo caminho para a vitória de Jair Bolsonaro.

Mais grave do que isso, a Folha não fez uma pesquisa eleitoral com Lula na disputa presidencial, ao contrário do que fizeram a Fórum e o instituto Data Poder 360. Nos dois levantamentos, Lula foi apontado como o candidato com a menor rejeição e com maiores chances de derrotar o neofascismo bolsonarista.

Se a eleição fosse hoje o ex-presidente Lula venceria Jair Bolsonaro no segundo turno e ficaria à frente já no primeiro em um cenário mais concentrado com apenas quatro candidatos, sendo os outros dois Ciro Gomes e João Doria. É o que mostra a 8ª edição da Pesquisa Fórum, realizada entre os dias 11 e 15 de março, em parceria com a Offerwise. Num eventual segundo turno Lula teria 38% e Bolsonaro 33.8%.

Ao manobrar para retirar Lula das eleições de 2022, a Folha age como cúmplice do governo da morte de Jair Bolsonaro.

Send this to a friend