Defensora da democracia?
Jornal golpista se refere à ação da extrema-direita contra criança de 10 anos como uma “manifestação polêmica”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
deputados
Parlamentares tentam invadir clínica | Foto: Reprodução

No último domingo, um grupo de extrema-direita, liderado por parlamentares evangélicos pernambucanos Joel da Harpa (PP), Clarisa Tércio (PSC) e Cleiton Collins (PP), foi até o Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros para tentar impedir que uma criança de 10 anos passasse por um procedimento de aborto legal. O grupo chegou a tentar invadir o local, mas não conseguiu. A criança engravidou após um estupro e a gravidez trazia uma série de riscos à própria saúde.

O episódio apenas revelou o caráter da campanha anti-aborto: uma campanha de extrema-direita, desumana, que está disposta até mesmo a atacar uma criança de 10 anos que foi vítima de um estupro. Tudo em nome de uma moralidade de moralistas sem moral alguma.

O que chamou a atenção é que a Folha de S.Paulo, jornal que teve um papel importante no golpe de 2016, tratou a ação fascista como uma simples manifestação. A ação fascista, que poderá levar sérias consequências à criança e a toda a sua família, bem como servirá para intimidar um número gigantesco de mulheres, recebeu apenas o título de “manifestação”. Uma verdadeira cobertura da imprensa burguesa à podridão da extrema-direita, que apenas comprova que a burguesia não é contra Bolsonaro, nem contra o fascismo, de maneira alguma:

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas