Jornal fascista
A Folha de S. Paulo continua sua campanha golpistas de calúnias contra o PT, dessa vez atacando Dilma Rousseff, apontando-a como culpada do desastre do governo Bolsonaro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
folha-600x400
Folha quer Bolsonaro até 2022 | Foto: Reprodução

Folha de S. Paulo lançou um editorial chamado “Jair Rousseff”, comparando de maneira exdrúxula a ex-presidenta Dilma Rousseff, derrubada pelo golpe de Estado de 2016, com Jair Bolsonaro, candidato de extrema-direita que ganhou o pleito das eleições fraudadas de 2018, eleições onde o ex-presidente Lula teve seu registro caçado ilegalmente. A tentativa de comparar a ex-presidenta golpeada e o presidente golpista de extrema-direita se “embasa” em um suposto problema administrativo, ressurgindo a falsa polêmica das “pedaladas” já que, segundo a Folha no seu editorial ridículo, Dilma teria “ensinado” a Bolsonaro como furar o “Teto de gastos” (coisa que nem existia no seu governo, já que isso foi fruto direto do golpe que ela sofreu). 

Não é a primeira vez que a Folha, o jornal do golpe militar de 1964 e do golpe de Estado de 2016, tenta comparar com “argumentos”, que na verdade são falácias polícias que não passam de pura propaganda mentirosa, o PT ao Bolsonaro, o Lula ao Bolsonaro e dessa vez a Dilma Rousseff ao Bolsonaro. É uma propaganda descaradamente enganosa e, em última instância, uma propaganda anticomunista. Coisa que não é nada rara em relação à Folha que chama todos os governos democráticos, países soberanos que são oprimidos pelo imperialismo, de ditaduras. É nítido e certo, por exemplo, quando você encontra matérias sobre a Venezuela no jornal golpista estar escrito “Ditador Maduro” e sobre Cuba “ditadura castrista”. Que é uma linha editorial fascista, fazendo coro com o imperialismo que embarga esses países duramente, fazendo várias populações morrerem de fome. 

Não faz muito tempo que o jornal burguês tentou pressionar o PT a direita questionando seu direito democrático de participar de organizações internacionais, no caso o Foro de São Paulo, que a Folha chamava de “berço de ditaduras”, se referindo a Cuba, Venezuela e Niguaragua. O editorial, nesse caso, tem como intuito pressionar o governo Bolsonaro para não ultrapassar o chamado “Teto de gastos” no meio da pandemia, fazendo uso “exacerbado” dos gastos públicos. Isto é, uma política de arrocho em meio a uma pandemia. Nesse sentido, o Folha não é só um jornal golpista, como que no seu conteúdo apoia um claro genocídio da população. Para que? 

Não é para esse dinheiro simplesmente ficar estocado nos cofres públicos, mas encher os cofres privados durante a crise. Em vez de ir para a saúde, por exemplo, que é de enorme emergência que tenha um gasto violento por parte do Estado para barrar o completo descontrole da pandemia. Esse dinheiro para o interesse popular seria “furar o teto”, mas para os bancos é o “pleno desenvolvimento natural da economia” para o jornal golpista. Essa comparação esdrúxula e fascista tem como não só um objetivo econômico, de salvar os monopólios imperialistas que financiam o jornal burguês, mas tem também uma finalidade política.  

Que é, primeiro, manter Bolsonaro até 2022. E suprimir as crises sucessivas do governo com a polícia de colocar o governo fraudulento e genocida “na linha”. Esse “na linha” não passa de impor a Bolsonaro a política majoritária do golpe de Estado, que é a política de terra arrasada do neoliberalismo, que é a política oficial do imperialismo aos governos que se impõe através do golpismo em toda América Latina.   

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas