Anticomunismo profissional
A Folha de S. Paulo publicou uma matéria intitulada “Clube autoritário” onde ela além de fazer uma propaganda fascista, pressiona o PT para se desvincular da esquerda
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Venezuela, Juan Guaidó
Para a Folha democrático é aquele que não tem voto | Foto: reprodução

A Folha de S. Paulo lançou uma matéria intitulada “O que a Folha pensa: Clube autoritário” onde seus articulistas tentam levantar a velha falsa polêmica a respeito do Foro de São Paulo, organização que agrupa diversos grupos de esquerda da América Latina. Segundo a Folha, este seria um “Clube Autoritário”. O jornal repudia a presença de líderes de esquerda da Venezuela, de Cuba e da Nicarágua e insiste em citar o PT como peça contraditória da aliança dos povos latino-americano. 

O artigo é uma aberração política gigantesca. É basicamente um pretenso artigo político com um fundo moral, que ataca as organizações que levaram às revoluções ou governos que são frutos de grandes mobilizações populares. Como, por exemplo, a questão em citar as guerrilhas cubanas e sandinistas como horríveis, sem nem cogitar suas razões históricas, para que e contra quem estavam lutando, causando uma leve impressão que você está lendo um texto redigido por uma criança birrenta. E o termo “ditadura” e “ditador” que é usado ostensivamente contra os governos de esquerda como um padre que acusa o outro de pecador. O texto é ruim, do ponto de vista argumentativo, e repetitivo do ponto de vista técnico. 

Mas do ponto de vista político, podemos claramente dizer, é um artigo extremamente reacionário. Fica claro que a Folha de S. Paulo é um jornal antidemocrático e ideologicamente direitista, diferente da lenda de que é um jornal democrático. Lenda essa que só com muita campanha política e publicitária para se fazer engolir uma enganação desse tamanho, já que o jornal é conhecido por emprestar seus carros para prender pessoas e lavá-las as terríveis torturas nos porões da ditadura militar. Um jornal que sujou suas mãos de sangue ombro a ombro com os gorilas da ditadura usar tantas vezes “ditadura” e “autoritário” a se referir a governos democráticos é o cúmulo do cinismo.  

Em segundo lugar, mostra que há uma forte campanha para desvencilhar o PT dos vínculos com a esquerda, ou seja, acabar com a ala mais à esquerda. Um grande exemplo é a finalização do texto, que diz: 

Entretanto o Foro é coisa mais banal. Trata-se tão somente de um consórcio dedicado à perpetuação de ideias obsoletas e que, sem pejo, mantém suas portas abertas para ditaduras e ditadores. A opção por se manter parte de tal clube mina a credibilidade da defesa que o PT faz da democracia, respeitada durante os 13 anos de administrações do partido.” (Folha de S. Paulo, 6/8/2020) 

O artigo, além de ser uma ode ao fascismo, a propaganda anticomunista profissional é uma tentativa de pressionar o PT para a direita do regime político golpista. O interessante é que o jornal burguês diz prezar pela democracia nos países alheios e no PT, mas não pensou duas vezes em apoiar o golpe militar de 1964 e o golpe de Estado de 2016 que derrubou o governo legitimamente eleito de Dilma Rousseff, do PT, para novamente colocar pouco a pouco uma junta militar no governo, como agora com o governo Bolsonaro.  A Folha quer desfigurar e moldar o partido, para destruí-lo ou transformá-lo em um PSDB “de esquerda”, dando total poder à ala direita que é contra a Venezuela, Nicarágua e Cuba para enfraquecer totalmente a sua organização diante do golpe. 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas