Menu da Rede

Adquira o Jornal Causa Operária 1.172!

Covas: da morte à morte

Foi Covas quem mandou colocar pedras embaixo do viaduto

O quadro de saúde de uma pessoa não apaga a trajetória política dela: Bruno Covas provocou diversas mortes, tendo colocado pedras para que mendigos não dormissem embaixo da ponte

Bruno Covas – Foto: Reprodução

Desde o início de maio, o prefeito licenciado de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), 41 anos, encontra-se internado em um dos melhores hospitais de São Paulo, o Hospital Sírio-Libanês. Nesta sexta-feira (14), o boletim médico informou que a sua situação piorou e que foi sedado pelos médicos. Seu quadro de saúde se tornou irreversível, ou seja, a chance de óbito em um curto prazo é grande. 

A imprensa burguesa dá a notícia tentando colocar Covas como um lutador contra o câncer e fazendo a famosa propaganda dos políticos da direita. Não devemos nos posicionar aqui em relação à doença, que é uma doença terrível e afeta milhõos de pessoas no mundo, em grande parte pela própria paralisia do desenvolvimento que o capitalismo condena a ciência em todo mundo, fazendo com que grandes empresas obtenham lucros enormes com a venda de medicamentos. A análise deve ser política.

Bruno Covas foi o vice-prefeito de João Doria, e assumiu definitivamente a prefeitura em 6 de abril de 2018, quando Doria se afastou para a disputa do governo do Estado. Elegeu-se prefeito na última eleição de 2020, assumindo o cargo em janeiro de 2021. Como prefeito da maior cidade da América Latina, não teve nenhuma medida factível para o combate à pandemia da COVID-19, deixando que milhares de pessoas morressem diariamente na cidade. Durante a pandemia, ele e seu partido atingiram em cheio os direitos dos trabalhadores e aposentados, como a pauta da reforma da previdência e até a remoção do passe livre para idosos no transporte público. Uma política de perseguição à população pobre. Contudo, nem um mês após a vitória no segundo turno sobre Guilherme Boulos, Bruno Covas sancionou uma lei que aumentava seu salário em 46%, chegando ao valor de mais de 35 mil reais por mês.

Porém, a perseguição aos trabalhadores, que já é tradicional da direita golpista, tornou-se em janeiro deste ano uma política de características fascistas. Bruno Covas contratou uma empresa para instalar pedras embaixo de um viaduto próximo à avenida Salim Farah Maluf, no Tatuapé, zona leste da cidade. A obra tinha o objetivo de impedir que moradores de rua dormissem no local. As pedras foram presas ao chão por uma espessa camada de cimento, na parte debaixo do viaduto. À época, um dos trabalhadores da obra confessou: “A gente faz porque é obrigado, mas até aperta o coração tirar o teto de quem já mora na rua”. 

Foi necessário que um militante dos moradores de rua, o Padre Lancellotti, interviesse com uma picareta na mão, removendo as pedras como uma manifestação de indignação perante a atitude reacionária da prefeitura de Bruno Covas. 

Lancelotti Pedras

“Quis mostrar nossa indignação participando diretamente da ação. Aquilo é um absurdo, uma aberração, é até ato de improbidade administrativa. Fomos para lá e agora a prefeitura começou a remover, por causa de toda repercussão” Padre Lancelotti

O problema real é que nenhuma doença, ou qualquer coisa do tipo, pode limpar a memória daqueles que sofreram e sofrem nas mãos desse genocidas do Estado. Se Bruno Covas está com câncer, isso é uma questão que não exime ninguém da política. Ainda mais: o que se sabe é que ainda não veio a óbito por estar em um dos melhores hospitais do Brasil, enquanto ele e seu partido apoiam deliberadamente a privatização da saúde numa política de extermínio da população.

Se Bruno Covas vai sobreviver ou não, isso de fato não importa no jogo político. O que importa é que ele e seu partido promovem um extermínio da população pobre, e não podemos deixar que as vidas de milhares de pessoas que morrem diariamente, devido a essa política, sejam apagadas pela vida de um único político burguês.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.