Indústria
O incentivo na exportação do petróleo brasileiro em detrimento do refino, revela a intenção dos golpistas de destruir o parque industrial e favorecer o capital estrangeiro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
refinaria
Petróleo: demanda da China por petróleo | (Paulo Whitaker/Reuters)

No ano passado, segundo dados da ANP (Agência Nacional de Petróleo), o Brasil exportou 410 milhões de barris de petróleo, a maior parte para a China. Atualmente, 70% da exportação do petróleo brasileiro é absorvido pela China. O Brasil já é o 3º maior fornecedor da China, superando, inclusive, o Iraque, hoje em 5º colocado, estando atrás somente da Arábia Saudita, que recuperou o primeiro lugar depois de perder nos dois meses anteriores para a Rússia.

Segundo os dados da Administração Geral de Alfândega da China, as importações do petróleo brasileiro alcançaram a marca de 4,49 milhões de toneladas, contra  2,96 milhões de toneladas de 1 ano antes. Foram 33,69 milhões de toneladas de petróleo brasileiro, o volume importado pela China, de janeiro até agora, o que representa um aumento de venda do Brasil para a China de 15,6% em relação ao ano anterior, de acordo com a Reuters.

A Arábia Saudita ficou com 63,57 milhões de toneladas, 6,5% a mais no ano, e a Rússia com 7,48 milhões de toneladas no mês passado, de 18,6% em relação ao ano anterior. E durante os primeiros nove meses de 2020, a Rússia é a que mais vendeu com 64,62 milhões de toneladas, 16% acima do nível do ano anterior. 

Por outro lado, também no ano passado, o Brasil importou cerca de 68 milhões de barris, na maior parte de países da África e do Oriente Médio. O país também importa derivados de petróleo, como gasolina e, principalmente, diesel.

Isso, contudo, parece uma contradição, já que o Brasil é considerado autossuficiente em petróleo. Por isso a pergunta: por que o Brasil ainda precisa importar o recurso?

Segundo os especialistas, a resposta está com as refinarias brasileiras. Isso porque, além de não ter a capacidade de refinar o petróleo brasileiro sozinhas, elas estão subutilizadas. Dados revelam que em 2018, a capacidade ficou ociosa em 25%.

Com  17 refinarias de petróleo, o Brasil tem a capacidade para processar 2,4 milhões de barris por dia. A Petrobras responde por 98,2% da capacidade total, com as suas 13 refinarias das 17.

O professor Eduardo Costa Pinto, do instituto de economia da UFRJ e pesquisador do INEEP (Instituto de Pesquisa do Setor Petróleo), diz que se a Petrobras aumentasse o nível de utilização das refinarias, a empresa poderia reduzir as importações. “A Petrobras poderia abaixar um pouco o preço, mas teria que produzir mais para atender o mercado interno, e assim dependeríamos menos da importação de derivados. Mas essa não é a estratégia atual da empresa.” Pelo contrário, segundo Eduardo, a política de preços da Petrobras, de competir de acordo com as condições de mercado, viabiliza a importação de derivados, e isso permite que os produtos de fora tenham preços competitivos com os do mercado interno, atraindo seus concorrentes, e levando os consumidores a comprarem o importado e não da produção nacional.

Com essa perspectiva, é visível a destruição do parque industrial brasileiro, principalmente das Refinarias, o que acarreta aumento do preço no bolso do trabalhador e favorecimento do capital estrangeiro. No fundo, é uma política de entrega do patrimônio nacional e das conquistas alcançadas em todos esses anos – em que o Petróleo foi, em alguma medida, nacionalizado – ao mesmo tempo que milhões de trabalhadores ficam sem emprego.

Com características ultraliberais, o presidente golpista Bolsonaro tem cumprido essa pauta demolidora, e  intensificado a exploração do trabalhador, para o que foi preciso destruir a CLT e muitas conquistas adquiridas com o passar do tempo, incluindo a previdência, para castigar de forma contundente a classe operária com a sua escravização por mais tempo, abrindo caminho para o lucro desmedido do capital imperialista, em um mercado de salários achatados, com um exército de desempregados para que continue assim, e órgãos de defesa débeis.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas