Jornada de Nacional de Luta
Nesta segunda, 11 de janeiro de 2021, a Frente Nacional de Luta – Por Terra, Trabalho e Liberdade (FNL) iniciou mais uma Jornada Nacional de Lutas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Brasília - Integrantes da Frente Nacional de Luta, Campo e Cidade (FNL) invadiram o prédio do Ministério do Desenvolvimento Agrário, na madrugada desta terça-feira, em um ato pela distribuição de terras (José Cruz/Agência Brasil)
Manifestantes em frente ao prédio do Ministério do Desenvolvimento Agrário 02/02/2016 | Foto: José Cruz / Agência Brasil

Nesta segunda-feira, dia 11 de janeiro de 2021, a Frente Nacional de Luta – Por Terra, Trabalho e Liberdade (FNL) iniciou mais uma Jornada Nacional de Lutas. A iniciativa ocorre simultaneamente em 13 estados da federação com atividades em diversas frentes.

A Jornada Nacional de Luta

A FNL reivindica a desapropriação de terras para a realização da Reforma Agrária, moradia, uma política pública de combate à fome e o desemprego. Nessa jornada nacional, como nas anteriores, a organização iniciou uma série de mobilizações em várias frentes, como manifestações públicas, fechamento de rodovias e ocupação de terras, rurais e urbanas, em diversas partes do país. As atividades iniciais ocorreram em 13 dos 26 estados da união, demonstrando uma ampla distribuição do movimento pelo território nacional.

Urgência da reforma agrária

Neste momento, a situação política e econômica traz à tona com urgência a pauta da reforma agrária. A repressão crescente no campo a cada dia toma proporções alarmantes, colocando de forma indispensável a necessidade de organização e mobilização do trabalhador do campo contra o latifúndio.

O avanço da luta no campo neste momento passa necessariamente pela organização da autodefesa contra a extrema-direita, agrupada detrás do governo golpista de Bolsonaro. A política dos golpistas vêm aprofundando a níveis abissais os ataques aos trabalhadores do campo, inaugurando uma era de massacres muito semelhantes ao do período FHC (PSDB) e à ditadura militar. Portanto, apenas a derrota do golpe de Estado, com uma campanha pelo Fora Bolsonaro e todos os golpistas, pode reverter essa situação.

Caminho para derrotar os golpistas

Essa Jornada Nacional de Luta da FNL segue no caminho certo da mobilização necessária para derrotar o governo Bolsonaro. Apenas com mobilização, organização e unidade dos trabalhadores do campo e da cidade, os golpistas serão derrotados. 

Com os trabalhadores ocupando fábricas, realizando assentamentos no campo, tomando de volta as ruas, que o golpe de Estado será derrotado. Ou seja, através da unidade na luta, em mobilizações, greves, ocupações, enfrentamentos com a direita e a extrema-direita, é que os trabalhadores se unificarão contra o regime.

O cretinismo parlamentar praticado pela esquerda pequeno-burguesa é justamente o oposto de uma jornada de lutas ou da luta em qualquer sentido. Na realidade, o Congresso é o maior cemitério de lutas populares que há no País, é lá onde foram sepultados pela direita e pela esquerda pequeno-burguesa as reivindicações dos movimentos populares.

Neste sentido, a Jornada Nacional de Lutas por moradia, terra e por um programa para os trabalhadores do campo e da cidade é um exemplo do que deve ser feito, uma forma de combater na prática a política de substituir as lutas populares por manobras parlamentares.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas