Ingerência imperialista
Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a economia brasileira sofreu, no segundo trimestre de 2020 “um tombo histórico”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
fmi
FMI | Foto: Reprodução

O Fundo Monetário Internacional (FMI), um dos principais órgãos do imperialismo mundial, mais uma vez, vem dar o seu pitaco em alerta ao governo pró-imperialista e capacho do governo norte-americano, Bolsonaro, em relação aos gastos do governo com a crise do coronavírus.

Para o FMI  “a crise do coronavírus não terminou e afirmou que a concessão de apoio maior que o projetado no ano que vem é desejável para o Brasil, mas citou uma nova priorização de despesas como medida a ser tomada nos países com espaço fiscal restrito.” (Reuters 02/11/2020)

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a economia brasileira sofreu, no segundo trimestre de 2020 “um tombo histórico” quando o PIB (Produto Interno Bruto) recuou 9,7% em relação ao primeiro trimestre do ano. Em relação ao mesmo período de 2019, a queda foi ainda mais profunda, de 11,4%. Em ambas comparações, é a pior queda da série histórica do IBGE, iniciada em 1996.

Com tamanha crise, a matéria da imprensa capitalista tenta passar a “preocupação” do Fundo quanto “à indefinição no Brasil sobre como o governo fará a reestruturação um programa de transferência de renda após o fim do auxílio emergencial, em dezembro”(idem), mas por outro lado, na verdade, a sua preocupação é sobre uma tal nova “priorização de despesas”, ou seja, uma recomendação para o governo acelerar a retirada de direitos da classe trabalhadora e da população com aumento de impostos, arrocho salarial, aumento da reformas, etc. para beneficiar aqueles que o FMI representam efetivamente: banqueiros e capitalistas.

O FMI fala em melhorar as perspectivas econômicas dos mais vulneráveis… Para os mais incautos, pode parecer que o órgão financeiro da burguesia esteja olhando para o povo, mas não é. Ele está falando de setores da economia. Setores como o imobiliário (de Donald Trump), Aviação, hotelaria e todos ligados ao turismo, que já estão comprometidos, é destes, os vulneráveis que se fala e é destes que o FMI se preocupa e é deste que ele quer a ajuda dos governos.

O Fundo tenta levanta a bola do governo fascista de Bolsonaro em relação à migalha do Auxílio Emergencial de R$ 600 dados entre abril a agosto e de R$ 300 pelo restante do ano, como um “benefício para mais de 60 milhões de pessoas pro mês” com um custo total de R$ 321,8 bilhões  em 2020. Mas esquece de dizer que meia dúzia de banqueiros foram beneficiados com mais de quatro vezes esse valor, uma cifra de R$ 1,2 bilhão, isso sem falar de centenas de bilhões em compra, com recursos públicos, de títulos podres desses mesmo banqueiros parasitas.

A sistemática ingerência do FMI, principalmente e países atrasados, revela que a burguesia imperialista não consegue reverter o quadro anterior e que mais do que crises de governos o que se tem é uma crise do regime político burguês que se aprofunda sem parar. Uma crise que está assentada na incapacidade da burguesia e dos seus governos de apresentar uma alternativa diante da crise gigantesca da economia.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas