Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
e74e13aca767116ce8a067762fbbc244260a6466
|

Em entrevista para o canal norte-americano Bloomberg TV, o diretor-gerente interino do Fundo Monetário Internacional (FMI), David Lipton, afirmou que o futuro diretor desse que é um dos mais importantes órgãos imperialistas irá enfrentar “um momento de testes” da economia mundial. Ele substitui temporariamente Christine Lagarde, que saiu da liderança do FMI para comandar o Banco Central Europeu.

Lipton fez alertas para os bancos centrais, a fim de que estejam prontos para a continuação da desaceleração econômica a nível internacional. Na verdade, essa palavra é um eufemismo para a queda no crescimento da economia, que, em geral, não demonstra o mínimo sinal de recuperação desde a crise capitalista de 2008.

O próprio dirigente citou os casos da União Europeia e da China. O bloco imperialista se viu atingido em cheio a partir de 2008, com diversos países indo simplesmente à bancarrota. Isso ocorreu particularmente com os elos mais fracos: Portugal, Irlanda, Itália, Grécia e Espanha (na sigla em inglês, esse grupo de países passou a ser chamado assim de maneira irônica – “pig”, em inglês, significa porco).

Mas os países mais fortes do imperialismo europeu também sofreram com a crise e, para sustentarem minimamente os lucros de suas burguesias, impuseram uma dura política de arrocho nos “PIIGS” por meio do Banco Central Europeu, da Comissão Europeia e do FMI (a chamada “Troika”). Assim, devastaram as economias dos países mais frágeis para roubar suas riquezas para os bolsos dos banqueiros alemães e franceses principalmente. Mas a crise não terminou, se agravou e se tornou uma intensa crise política, com a ameaça de dissolução da própria União Europeia.

A China, por sua vez, divulgou na última segunda-feira (15) um relatório oficial que mostrou um crescimento do PIB de 6,3% no primeiro semestre deste ano, menor índice desde pelo menos 1992. O país asiático vinha se destacando por ter o maior crescimento econômico do mundo nas duas últimas décadas. Entretanto, e crescimento também diminuiu após a crise de 2008. Esse dado foi analisado ontem pelo Diário Causa Operária, sobre o qual concluímos que a economia mundial não tem perspectiva de recuperação. As declarações do dirigente do FMI reiteram esse prognóstico.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas