Festa de Paraty
O evento será exclusivamente online e buscará homenagear as mais de um milhão de vitimas do coronavírus pelo mundo. O evento será do dia 3 ao dia 6 de dezembro.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Foto Paraty (1)
Feira acontece anualmente | Foto: Reprodução

A FLIP, Festa Literária Internacional de Paraty, terá sua edição de 2020 em dezembro, data quatro meses posterior à data inicial programada, que era para o final de julho ao início de agosto. Ao contrário dos outros anos, a feira terá uma edição virtual. Lembrando que é o evento é uma dos mais importantes da cena cultural.

A décima oitava edição do festival será composta de várias maneiras, desde vídeos gravados a eventos ao vivo, e a transmissão será feita tanto em plataforma própria quanto nas plataformas de mídia social. O evento contará com autores do mundo todo, tendo o representante brasileiro, Itamar Vieira Junior (autor de Torto Arado) e muitos outros autores de países estrangeiros.

A festa terá duração de 4 dias, de 3 a 6 de dezembro, duas a três mesas por dia e um total aproximado de 15 autores. O evento contará com uma variedade de formas de transmissão e será exclusivamente online.

A FLIP não terá autor homenageado e também não terá um curador, símbolos dos 17 anos do evento. O evento irá homenagear as vítimas da pandemia do coronavírus, pois, como disseram os organizadores, o evento está sendo feito de forma atípica e por uma boa razão, a pandemia que vitimou mais de 1 milhão de pessoas mortas no mundo. Outra mudança, talvez positiva, seja que nesse ano tudo será gratuito, sem nenhuma cobrança de ingresso. Claro, são boas notícias já que o evento foi cercado por controvérsias desde novembro do ano passado.

A edição teria um autor estrangeiro homenageado pela primeira vez no evento desde sua criação, a homenageada seria Elizabeth Bishop, autora que declaradamente apoiava a ditadura militar de 64 no Brasil. Tal ato explicita a penetração do fascismo na festividade e na arte em geral. Esse avanço sobre a arte não é por acaso, representa a ascensão do fascismo no mundo todo.

Fazer tal homenagem só pode ser entendido como a propaganda ideológica do fascismo em um evento de maior importância nacional e internacional. Além disso, a presença majoritária de autores de outros países em um evento que, apesar de tudo, é um evento de Paraty no Brasil é um possível avanço do imperialismo na arte. Sendo assim, um único representante brasileiro diante de uma maioria de autores estrangeiros é no mínimo uma desvalorização do país e uma ode ao estrangeiro.

A arte precisa ser vista como um terreno da luta de classes em que a burguesia, especialmente os blocos pró-imperialistas, tentam ganhar terreno e força para suas empreitadas politicas, destruir à arte, às organizações artísticas e às vanguardas, que tem inspiração operária. Portanto, é preciso denunciar sempre as ofensivas imperialistas no meio artístico e lutar fazer da arte brasileira uma exaltação do Brasil, nunca dos dominadores estrangeiros. E sobretudo, repelir o avanço destrutivo do fascismo sobre a arte. Fora Bolsonaro!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas