Siga o DCO nas redes sociais

Frente ampla com os golpistas
Flavio Dino vai na Band propor ataque a aposentadoria de servidores
A aliança com os golpistas levada às últimas consequências. Dino defende novo julgamento para Lula e a reforma da previdência nos Estados e Municípios
gov_mara_entrev_dps_dilm14-850x639
Frente ampla com os golpistas
Flavio Dino vai na Band propor ataque a aposentadoria de servidores
A aliança com os golpistas levada às últimas consequências. Dino defende novo julgamento para Lula e a reforma da previdência nos Estados e Municípios
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
gov_mara_entrev_dps_dilm14-850x639
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

No último domingo (15) o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) foi entrevistado no programa Canal Livre da Band.

Considerado um exemplo de governador por parcela da esquerda nacional, a entrevista de Dino mostra o que está por trás da sua política, de qual setor ela vem e porque é profundamente nociva à esquerda e à luta contra os golpistas.

No 1º bloco, o governador foi perguntado 18 vezes, a começar pela sua relação com o governo Bolsonaro. Nas respostas, Dino fez questão de naturalizar sua relação institucional com o governo golpista, dizendo que apesar dos discursos não há nenhuma discriminação ou retaliação de Bolsonaro, na prática, aos governadores do nordeste.

De fato é um desafio que o Brasil tem hoje encontrar os termos adequados de equilíbrio entre as naturais divergências políticas, que são salutares, com uma convivência institucional que ajude o Brasil. É esse equilíbrio que tenho buscado. Claro que tenho uma visão crítica em relação aos rumos principais que vem sendo adotados pelo governo federal, mas ao mesmo tempo mantenho uma atitude de diálogo, respeitoso. As 3 vezes que o presidente da república convidou a mim e a outros governadores para reuniões eu estive presente nas 3, veiculei meus pontos de vista, de modo que nós buscamos este equilíbrio. Na medida que o pluralismo político deve ser preservado, é um valor democrático, mas ao mesmo tempo precisamos, necessitamos, ter parcerias entre o governo federal, os estados e municípios, para resolver os problemas nacionais. Então, da minha parte, eu distinguo muito claramente e tenho buscado esse equilíbrio, que é essencial para que o Brasil possa sair da crise e voltar a gerar oportunidades, empregos, direitos, como a população precisa.”

As palavras de Dino fazem parecer que o governo Bolsonaro é democrático, que há apenas algumas divergências políticas entre ambos. Não parece que ele se refere ao governo da extrema direita com orientações fascistas, que chegou ao poder pela fraude eleitoral que prendeu e cassou Lula. Não parece que Bolsonaro declarou guerra à esquerda e aos trabalhadores, que prometeu acabar com o socialismo. Dino passa a impressão de que independente se o presidente é fascista ou não, é possível manter o equilíbrio e através de parcerias com esse governo “resolver os problemas nacionais”.

Por mais absurda que seja a declaração, esse é o tom da entrevista, que vai escancarar a política da chamada Frente Ampla de amenizar o momento crítico da situação política nacional e tratá-lo como um momento normal de preparação para as eleições de 2020 e 2022.

Reforma da previdência

Perguntado sobre sua participação na reforma da previdência e se concorda com os pressupostos da PEC, Dino revelou que está de acordo com os golpistas de que há déficit na previdência. Afirmou que não atuou para derrotá-la, mas apenas para emendá-la, de forma que os retrocessos sociais não fossem muito agudos. Uma política derrotista, que inclina seus defensores a contemporizar com os golpistas. Se os ataques fossem pouco agudos tudo bem, então?

A PEC paralela é uma tentativa de reintroduzir debates que foram, infelizmente, rejeitados na câmara, marcadamente a busca que nós fizemos de uma ponderação, de um lado a necessidade de enfrentar o déficit fiscal objetivamente existente e de outro nós termos uma reforma que contivesse retrocessos sociais muito agudos. Este foi nosso esforço.”

Eu concordo que existe o déficit e ele tem que ser enfrentado, medidas normativas são necessárias… Eu particularmente, e outros estados, não vamos aguardar a conclusão da PEC paralela para encaminhar às Assembleias os projetos de leis necessários à adequação dos Estados e claro dos municípios também a um novo sistema constitucional… Então, o sentido geral é de busca da congruência em relação ao modelo federal dos estados e municípios. Agora vamos fazer isso com moderação, porque certas medidas, exemplifico: restrições muito agudas às pensões por morte, penalizando muito gravemente viúvas e órfãos. Eu não faço este tipo de coisa, não me convidem para isso que não vou. Até porque acho que nem na bíblia se sustenta, muito menos do ponto de vista social e econômico da atual conjuntura. Então esses excessos antissociais que ainda existem vamos modular, mas claro que a tendência geral de estados e municípios vai ser progressivamente – ou por intermédio da PEC paralela ou de legislações próprias votadas nas assembleias dos municípios – haver uma convergência em relação a este novo modelo federal, até porque é um imperativo constitucional, nós somos um país que exige que haja adequação dos entes subnacionais àquilo que vem ser aprovado pelo Congresso nacional.

Ou seja, o governador do PCdoB considera que o problema não é atacar os trabalhadores, mas sim fazê-lo em excesso. De forma moderada, tudo bem, uma vez que é preciso “adequação ao que vem ser aprovado pelo Congresso”. Dino reforçou isso na resposta à pergunta seguinte, em que foi pressionado a dar satisfação sobre a atuação dos governadores do nordeste na reforma:

De fato há uma compreensão incorreta acerca do nosso papel [governadores] neste processo. Nós fizemos uma negociação séria, como sempre fazemos. Fizemos o acordo político. Na última hora houve por parte de alguns parlamentares… uma visão segundo a qual os estados e municípios deveriam ficar de fora. Foi uma decisão da Câmara, não dos governadores. Nós fizemos as críticas que tínhamos, e algumas que ainda temos, fizemos a modulação possível, dada a correlação de forças na Câmara, é claro que não concordamos integralmente com essa reforma que foi enviada pelo presidente Bolsonaro. Participamos da negociação e havia uma disposição dos estados e municípios para integrarem este texto. Foi uma decisão da Câmara não integrar, por razões políticas, regionais, na verdade. Não foi uma atitude dos governadores. Tanto é que eu acabei de declarar e repito: tão logo concluída a reforma no plano federal, muito seguramente, se não todos, mas quase todos os estados, inclusive o meu, vamos debater um plano estadual nas assembleias legislativas e câmaras municipais.”

Dino, assim como governadores de direita, como Ratinho Jr (PSD-PR) e Eduardo Leite (PSDB-RS) esforçou-se para incluir na reforma da previdência os servidores estaduais. Isso só não ocorreu devido à pressão geral sobre os deputados, fazendo com que o Congresso aprovasse uma reforma aquém dos ataques que os golpistas pretendiam. O governador está tão atrelado ao regime que neste tema da reforma é um aliado dos golpistas no ataque aos direitos dos trabalhadores.

Ainda sobre a reforma, o governador criticou pontos aprovados que significam ataques aos mais pobres, contudo, deixando claro que discorda desses pontos apenas no regime geral, que não se aplicam ao regime próprio, que ele quer reformar.

Força Centrípeta vs Força Centrífuga. Centrão vs Polarização.

O ponto alto do 1º bloco foi a resposta ao jornalista Frenando Mitri, em que Dino usou uma metáfora para se referir à polarização:

“… Nós nunca tivemos na vida brasileira uma ausência tão dramática de um vértice que organize o jogo político no Brasil. Ou seja, nós temos mais forças centrífugas [polarização] do que centrípetas [formação do centro] neste momento. E é claro que nesta lógica de centrifugação do sistema institucional é essa guerra de todos contra todos. Então essa temática que você identifica em relação à previdência, não é própria da previdência, é própria do espírito do tempo… Todos os temas institucionais no Brasil estão mal encaminhados. Exatamente porque não tem um eixo condutor disto. Nós trocamos o presidencialismo de coalizão pelo presidencialismo de confusão. E é claro, portanto, que fica difícil encaminhar uma pauta que convirja o país.”

Eis um ponto chave da entrevista. Dino, que foi eleito por uma coalizão de 16 partidos (PRB, PDT, PPS, DEM, PSB, PR, PP, PROS, PT, PTB, Patriotas, PTC, Solidariedade, PPL e Avante) – como ele próprio revela – representa um setor que vai da esquerda à burguesia e oligarquia maranhenses, por isso expressa a política da chamada Frente Ampla, a iniciativa de juntar setores da esquerda com setores golpistas na busca de reciclar, reconstruir o centrão para “colocar Bolsonaro na linha”.

Traduzindo: a “centrifugação do sistema institucional” é a polarização resultante do golpe de Estado. Esta opôs, de um lado Lula e os trabalhadores, de outro, o bolsonarismo e a direita. A “guerra de todos contra todos” nada mais é que a luta de classes numa etapa de crise do capitalismo e do regime político no país, radicalizada pelo golpe de Estado. Isto implica, para Dino, que as forças centrífugas (Lula e o mov. operário) – que empurraram todos para os polos, destruindo o centro político que mantinha a estabilidade do regime – devam ser combatidas pela Frente Ampla, que inclui PCdoB, PDT e partidos golpistas (as forças centrípetas), que buscam convergir formando novamente o centro político, que seja um eixo de estabilização do regime golpista.

O 1º bloco termina com uma pergunta sobre o governo Dilma, onde Dino chega a citar o golpe de Estado de forma sumária como “golpismo institucional”.

Já no 2º bloco, Dino expressa mais uma vez o profundo equívoco de sua política, quando perguntado se a questão da liberdade do ex-presidente Lula deve ser um critério decisivo para as alianças nas eleições municipais de 2020:

Nós precisamos buscar sim essa ampla união democrática, popular, do campo nacional, aqueles que defendem a construção do Brasil em bases solidárias de combate a desigualdade e justiça social. Então esse é pressuposto, é o programa. Quem quiser aderir a esse programa, ótimo, seja da esquerda ou mais ao centro, essa é minha visão. E creio que isso não pode ser construído sem o PT, nem contra o PT, é o partido mais importante da esquerda brasileira. É um grave equívoco imaginar que vamos conseguir retomar vitórias eleitorais fazendo discurso contra o PT, eu não sou do PT, mas respeito muito o PT, os petistas, seu patrimônio. E respeito muito a sua principal liderança, Luiz Inácio Lula da Silva, um dos principais líderes da história brasileira, presidente melhor avaliado da história brasileira. Em relação a ele eu nunca o vejo como um obstáculo a nada. Até porque eu considero que a estas alturas, qualquer brasileiro, brasileira que nos assiste agora, tem evidências cabais de que lamentavelmente o processo judicial contra o ex-presidente Lula padeceu de vícios processuais gravíssimos e que eliminaram a principal garantia de qualquer cidadão, que é o direito a um julgamento justo, proferido por juiz imparcial, um juiz que não é sócio de uma das partes, que não aconselha uma das partes. Então hoje, é um imperativo democrático, de respeito à Constituição nós defendermos que ele, ou qualquer outro que tenha sido vítima de injustiças e de violação de garantias processuais, seja novamente julgado. Ou seja, um julgamento viciado tem que ser anulado e novo julgamento proferido nos termos da lei. Se ele vai ser absolvido ou condenado já é outro detalhe.

O pcdobista dá voltas e voltas, fala uma linguagem de difícil entendimento, faz elogios a Lula e ao PT, o que pode confundir os desatentos, mas no final diz que apesar de Lula não ter tido direito a um julgamento justo, a defesa da sua liberdade não é critério para as alianças eleitorais de 2020. E mais, que Lula deve ser novamente julgado, seja absolvido ou não.

Ou seja, Dino reproduz à sua forma a política de Ciro Gomes e do PSTU sobre as ilegalidades da Lava Jato: a operação teria cometido excessos, mas Lula deve ser julgado mesmo assim. Não bastasse o nível gritante de oportunismo político, o governador diz que seria possível fazer alianças com o PDT e Ciro Gomes em várias cidades “para vencer as eleições de 2020 e preparar o terreno para 2022” que não precisaria ter chapa de esquerda encabeçada pelo PT. Essa posição é reforçada em seguida, quando o governador, baseado na sua experiência como juiz, diz que teria assinado 70 a 80% das sentenças da operação Lava Jato.

Nesta altura da entrevista, o jornalista Fernando Mitri, em resposta às suscessivas citações da bíblia feitas pelo governador “comunista”, diz: “Dino é o líder do PCdoB que mais cita a Bíblia. Marx ele não cita. Ele cita o ato dos apóstolos.”

“Direitos Já – Democracia Sempre” a defesa da frente com o centrão e as frentes populares como referência de governo

Fernando Mitre: “Soube que o senhor conversou com FHC, Rodrigo Maia, Sarney. O senhor está tirando o que disso aí…?”

Dino: “…Recentemente estive num ato aqui na PUC de São Paulo, chamado ‘Direitos Já – Democracia Sempre’, em que haviam políticos até de centro-direita, onde tinham lideranças empresariais, religiosas, partidárias, do PCdoB, o Solidariedade, a Rede [PSDB…]. Esse é o certo e acho que este é o caminho que nós estamos construindo. Agora, tem que ter paciência, as vezes há muita ansiedade. Nós estamos no início do mandato do atual presidente da república. O problema é que é um mandato que oferece tão pouco em termos programáticos que parece que ele já está no fim. Não, ele não está no fim, está no começo. Então nós temos que respeitar o mandato presidencial. Dar tempo para que ele implemente lá o que ele acredita que deva fazer e ao mesmo tempo cuidar do nosso campo. Então até 2022 nós temos muito tempo e eu acredito muito, firmemente, que nós vamos conseguir essa convergência ampla e um novo programa, que olhe para o futuro, que transforme a realidade olhando para o futuro agora sem negar o passado, sem repudiar o passado, o que seria um grave erro.”

Para Dino a esquerda deve ser paciente com a destruição e os ataques que o governo Bolsonaro está causando aos trabalhadores e ao povo brasileiro. O governador de esquerda quer que os oprimidos respeitem seus opressores, representados pelo governo de destruição nacional resultante da fraude eleitoral, tudo pela espera de uma remota possibilidade de vitória eleitoral em 2022. É a política de fazer os trabalhadores aceitarem apanhar hoje em troca da esperança ilusória de um suposto ganho eleitoral daqui a 4 anos.O governador ainda respondeu perguntas sobre o que a esquerda defende para os costumes e sobre o governo do Maranhão, citou a extrema direita sem falar do golpe de Estado e disse que tem certeza da vitória eleitoral em 2022.

A entrevista é a expressão profunda do chamado à capitulação. Chama os trabalhadores a submeterem a luta das massas à disputa eleitoral, vendendo a ideia de que apanhar hoje automaticamente levaria à vitória (eleitoral) amanhã. É um ataque à luta contra o golpe e pela liberdade de Lula. É a defesa do fica Bolsonaro no nível mais alto do cinismo e cretinismo parlamentar, neste sentido deve ser vista atentamente por todos os companheiros que apoiam a luta contra o golpe e buscam entender e superar a paralisia das direções da esquerda.