Siga o DCO nas redes sociais

Extrema-direita = repressão
Flamengo: demagogia e repressão; a política da extrema-direita
A polícia de Witzel entra em ação e acaba com a manifestação popular. Em meio à comemoração de dois títulos pelo Flamengo, a PM entra jogando granadas e dando tiros.
8112968_x720
Extrema-direita = repressão
Flamengo: demagogia e repressão; a política da extrema-direita
A polícia de Witzel entra em ação e acaba com a manifestação popular. Em meio à comemoração de dois títulos pelo Flamengo, a PM entra jogando granadas e dando tiros.
Polícia entra no meio da manifestação popular jogando granadas, dando tiros e espancando a população
8112968_x720
Polícia entra no meio da manifestação popular jogando granadas, dando tiros e espancando a população

Com dois gols nos minutos finais da partida, o Flamengo consolida sua superioridade técnica ante o River Plate e conquista o título da Libertadores. O triunfo do time brasileiro não pararia por aí; após a o resultado do jogo entre Palmeiras e Grêmio, o clube carioca levaria, também, o título do Campeonato Brasileiro, realizando a façanha de conquistar esses dois títulos em um mesmo final de semana – algo que não acontecia desde 1963.

Embora em 1963 não existisse o Campeonato Brasileiro, propriamente dito, a dobradinha – dando margem para muito debate – demonstrou o bom futebol flamenguista colocado em prática durante os dois campeonatos. A comemoração de domingo, portanto, se estendeu do título da Libertadores para a conquista do Campeonato Brasileiro. A festa de caráter popular, no entanto, teve o infortúnio de encontrar pela frente o braço armado da burguesia, ou seja, a Polícia Militar.

O confronto, iniciado pelas granadas e tiros de bala de borracha da polícia, deu mostras do caráter repressivo da extrema-direita com as manifestações populares. A demagogia feita pelas figuras mais ignóbeis da extrema-direita, como Witzel (PSC) e Bolsonaro, tenta disfarçar a ojeriza que esses epígonos de Mussolini e Hitler têm do povo e suas manifestações. Para os fascistas de plantão, a população sequer pode se manifestar após a vitória de seu time; isso no país do futebol.

Ao colocar seus cães de guarda contra a população, Witzel escancara sua aversão ao futebol e à qualquer manifestação popular. É preciso esclarecer que a extrema-direita não gosta de futebol e, muito menos, do povo. Não adianta fazer demagogia posando para fotos com a camisa do Flamengo, fingindo ser um brasileiro com raízes populares. Essa extrema-direita só tem uma paixão: a repressão do povo e o seu encarceramento.