Sem teto
Enquanto governos direitistas e setores da pequena burguesia pregam o “fique em casa”, milhões de famílias dormem ao relento.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Moradores-de-Rua-1-1280x720
Pessoas sem moradia enfrentam as noites frias. | Foto: Reprodução

O Brasil é um país de crises. Crises na saúde, na economia, na educação, de segurança alimentar e em tudo que se possa imaginar. Dentre todas estas, uma das mais vitais é da habitação. Não apenas uma crise pelos números, mas uma crise também pela qualidade da habitação.

O país tem, hoje, quase 7 milhões de famílias sem moradia e outras tantas milhões morando em barracos, palafitas, cortiços e invasões de imóveis em construção ou em risco de desabamento. Há também um número imenso de pessoas que construíram suas habitações em terrenos de risco, como encostas que, a todo momento, podem desabar, especialmente agora, na época de chuvas.

Em contraste, no Brasil, há mais de 6 milhões de imóveis desabitados, servindo apenas para especulação de uma pequena parcela da população. Alguns estudos apontam que pode o número de imóveis vagos pode até chegar a 8 milhões, um número maior do que o de famílias desabrigadas. Portanto, o problema é, de maneira certeira, um problema de distribuição e acesso à moradia.

O governo ilegítimo do fascista Jair Bolsonaro, seguindo a política de destruição nacional começada pelo golpista Michel Temer (agora aliado do Direitos Já de Boulos, Haddad e Ciro), colocou fim a políticas estatais de moradia como o programa Minha Casa, Minha Vida.

Críticas à parte ao Minha Casa, Minha Vida, o programa representou, em alguma medida, um avanço gigantesco no acesso à moradia. Tendo isto em vista, fica mais saliente o papel de inimigo da população desempenhado pela direita.

Na situação atual da pandemia, os governadores “científicos” da direita e setores numerosos da esquerda burguesa e pequeno burguesa defendem, com unhas e dentes, a política do “fique em casa” como panacéia para o problema da pandemia. Isto não passa da demagogia mais cínica e rasteira.

Ao invés de criar leitos, contratar profissionais de saúde, fornecer EPIs, distribuir renda e garantir moradia à população mais necessitada para que esta possa ficar em casa, os governos direitistas, apoiados, sim, por setores da esquerda burguesa e pequeno burguesa, prefere colocar a culpa da pandemia na população, como bem denunciou o companheiro Henrique Áreas na sua coluna no Jornal Causa Operária Nº 1110. A política dessa gente é, na realidade, “eu fico em casa, você que se vire”.

A justiça do estado de São Paulo, um aparelho de cassação de direitos da população, expediu, desde o início da crise sanitária, diversas ordens de reintegração de posse, deixando mais de duas mil famílias desabrigadas.

Dados pontos apresentados, fica a pergunta aos frente-amplistas e demais demagogos da esquerda pequeno burguesa, que defendem as políticas direitistas dos governadores e prefeitos: “como ficar em casa sem renda, sem comida e em uma habitação precária? Como ficar em casa se nem casa tem?”

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas