Final da Copa: o fascismo fala francês

croacia gol

Com a vitória da Croácia contra o futebol medíocre dos ingleses, o imperialismo e a esquerda pequeno-burguesa saíram em peso contra o time Croata, taxando-os de nazistas por conta da comemoração infeliz do zagueiro Domagoj Vida, que celebrou a vitória da Rússia dizendo “Glória à Ucrânia” e fazendo saudação da extrema-direita ucraniana, que está em uma profunda guerra contra o país que sedia a copa.

Entretanto, o que é preciso ter em mente é que isso não passa de uma campanha suja do imperialismo para torcer à favor do time francês, que do ponto de vista deles, é muito mais interessante que ganhe a copa, para estimular a economia francesa e seus bancos. Não é nada para ficar surpreso, já que durante a copa as campanhas contra seleções de países oprimidos, como o Brasil e o México, não faltaram. Enquanto que, para a imprensa burguesa, os times imperialistas só têm jogadores excelentes e moralmente corretos, nos outros só têm briguento, farreiro, nazista, pedófilo e outras coisa do tipo.

O fato de ser apenas uma campanha contra o time croata e a favor da França é revelador quando se percebe que até a Croácia chegar nas semi-finais e enfrentar os times imperialistas favoritos da burguesia, como Inglaterra e França, fingiam que o time nem existia. Agora, parece que são os monstros da copa. Há de lembrar que desde o início, como já havíamos denunciado, o esquema da FIFA era levar para as finais, a França e a Inglaterra, esta última que foi eliminada pelos croatas. O interesse é fazer um desses dois ganhar, e diante da mediocridade destas seleções, estão com medo da França ser eliminada pelo time slavo, que goleou a Argentina de 3×0 na fase de grupos, enquanto que, contra o mesmo time, a França tomou 3 gols, apesar de ter ganho o jogo com 4 marcados.

Porém, é interessante ressaltar que nem se sabe se Vida é realmente nazista. Pode ser apenas um jogador direitista confuso, que cai na falácia contra a Rússia criada pelo próprio imperialismo. Vale lembrar que antes a Croácia fazia parte da Ioguslávia, um país socialista que reunia diversas etnias, culturas, religiões diferentes em um todo único. Com o esfacelamento do regime, o imperialismo se utilizou destas diferenças para provocar guerras entre eles mesmos e assim formar estados pequenos e fracos, fáceis de serem manipulados. A guerra da Croácia contra a Sérvia, que durou de 1991 à 1995, teve em plano de fundo o imperialismo contra a Rússia. Portanto, a guerra impulsionada pelo imperialismo é a principal culpada pelo ódio dos croatas aos Russos. Fica aí então explicado o gesto do jogador de futebol croata.

O que é impressionante de ver neste debate é outra coisa. Não o cinismo da burguesia imperialista, mas a confusão da esquerda pequeno-burguesa que não sabe o que é fascismo. Acreditam realmente que a seleção de um país oprimido como a Croácia pode servir aos interesses do fascismo, e não que os fascistas são justamente os próprios imperialistas. Antes de qualquer ataque aos croatas, deveriam se perguntar quem está estimulando e quem ganha com isso. Um pouco de reflexão leva à resposta óbvia: os franceses, que querem ganhar a copa do mundo desmoralizando seu adversário.

O fascismo é um método de destruição para acabar a classe trabalhadora e os povos oprimidos, como os croatas. Portanto, seria muito mais óbvio dizer que, nesta final de copa do mundo, o fascismo fala francês. Quem ganha com a vitória da França é justamente a burguesia francesa, altamente fascista. A burguesia que estimula em volta do mundo, em todas as suas colônias, como no Haiti e países africanos, a miséria, a opressão e a destruição dos paises. A política de qualquer um que se diz de esquerda neste momento seria torcer para a França perder, contra todo o esquema montado pelo imperialismo para que esta seleção medíocre ganhe o maior evento do mundo.