Falta o mínimo
O auxílio emergencial era a única renda para cerca de 36% das famílias brasileiras, ou seja, bem mais que 1/3 da população

Por: Redação do Diário Causa Operária

O País está em frangalhos. Este que já foi a 6ª maior economia do mundo, agora é candidato ao 13ª lugar sob o governo da direita, que tem como política garantir o lucro dos grandes tubarões capitalistas e atacar a estabilidade do emprego do trabalhador com retirada de direitos.

Os dados do desemprego batem recordes e a população trabalhadora, seja ela de classe média ou pobre, é proletarizada, ou seja, tem seu trabalho desvalorizado ou facilmente substituível, migrando assim para a pobreza e a fome. Quem conseguiu manter seu emprego, o fez sob duras penas, tendo que acatar a redução imposta pelo patrão, e apoiada pelo governo Bolsonaro.

O início do ano de 2021 promete um desafio ainda mais nefasto para os trabalhadores brasileiros. O desemprego não apresenta perspectivas de melhora, o coronavírus ainda está em alta batendo recordes de contaminados todos os dias e o congresso, à serviço da direita e dos empresários, cortou de uma vez por todas o auxílio emergencial, o que deve levar o país a situação de terra arrasada.

No conjunto de favelas do Mundaú, onde moram trabalhadores pobres na beira do rio, em Alagoas, Maceió, os moradores voltarão a receber o Bolsa Família e já preveem a volta da fome. Lucileide Ferreira, 43, que mora em um barraco no local com quatro filhos e uma neta e comenta: “Carne? Só se for de cavalo ou se eu matar um gato desses. Vou voltar ao ovo de novo”.

Os valores do Bolsa Família são irrisórios e giram em torno de 190 reais. E com o aumento do preço da cesta básica o valor condena de certo as famílias à fome no conjunto. O auxílio emergencial era a única renda para cerca de 36% das famílias brasileiras, ou seja, bem mais que 1/3 da população.

Outra moradora, Laura Maria, 22, mãe de dois filhos e que mora em um pequeno barraco, conta que “Quando o bujão de gás acabar, vou voltar ao fogo à lenha porque não vou ter R$ 80 para pagar um novo”. A população que vive à beira da lagoa Mundaú estão na mesma situação. Laura recebe R$ 185,00 de Bolsa Família e declara que não dá mais para comer nem galinha, porque também aumentou.

Existe, na tentativa de amenizar a situação, uma atividade de pesca na comunidade, que consegue peixes e marisco na lagoa para a alimentação, mas que já, já também será extinta. Daniela Santos, 31, declarou: “Eu ganho R$ 185 de Bolsa Família, e se não derem aumento vai mudar muita coisa. O sururu já está acabando da lagoa, nossa renda extra é muito pequena. Não sei o que será”

Com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), constatasse que na média de 22 regiões metropolitanas do País, os 40% mais pobres perderam mais de 1/3 de sua renda, ou seja, 32,1%; os 50% intermediários perderam 5,6%. Entre os mais ricos, houve um aumento da riqueza em 9 estados no Brasil.

Segundo um ranking da ONU sobre a riqueza no Brasil no ano de 2019, o País era sétimo país mais desigual do mundo e o segundo com maior concentração de renda: o 1% mais rico centraliza 28,3% de toda a riqueza do país. Ou seja, apenas 2 milhões de pessoas, num total de 210 milhões de brasileiros, concentram cerca de 1/3 das riquezas do país. Imagina-se como a situação se encontra em 2019. Os números já superam períodos de grande crise na história do País, como durante a década de 70.

Os dados oficiais informam que 39% da população brasileira solicitou o auxílio emergencial, sendo que apenas 81% foi contemplada. Segundo o governo mentiroso da extrema-direita, 70 milhões de solicitações foram atendidas, o que teria deixado “apenas” mais de 10 milhões a depender da sorte. No entanto, é só fazer os cálculos e saber que menos de 67 milhões receberam algum auxílio. Bem, é preciso tomar esses dados apenas como referência para imaginar uma situação bem mais devastadora. Houve pessoas que não receberam por todo o período, tendo acesso a apenas uma ou duas parcelas e, além disso, o auxílio foi cortado ao meio, o que já teria lançado a população, aos montes, sob o julgo da sorte.

Pois bem, diante de um verdadeiro desastre econômico no qual a sociedade brasileira está se afundando, o presidente fraudulento e completamente impopular, Jair Bolsonaro, debocha da situação dos trabalhadores e nos faz entender que essa é mesmo a política da extrema-direita para os ricos e, para os pobres, fome. A política é de extermínio da classe trabalhadora pobre que morre nas filas do SUS. O que a extrema-direita está fazendo é um verdadeira genocídio. Já passamos de 193 mil mortes por coronavírus, inclusive voltando ao patamar anterior de mais de mil mortes por dia, como mostraram os números de ontem (30).

Send this to a friend