Nem a esmola o povo terá mais
Desemprego nas alturas, inflação crescendo, subemprego e ainda a pandemia. Até quando o povo vai aguentar tantos ataques as condições de vida sem reagir?
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
43662584032_750330c936_b (1)
Caravana contra a fome | Foto: Dep Neusa Cadore

O relatório do Banco Central “Focus”, mostra os indicadores econômicos inflação, PIB, taxa básica de juros, dólar e balança comercial do país. Nele, os economistas do mercado financeiro elevaram as estimativas de inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) para o ano de 2020, de 3,02% para 3,20%. 

É a décima terceira alta consecutiva, chegando a nível recorde em setembro e em outubro. A pandemia e a recessão econômica fizeram recuar, mas com a retomada da economia e a alta do dólar voltaram a acelerar. A expectativa é que termine o ano abaixo de 4%.

Em relação ao PIB, a estimativa de queda mudou de 4,81% para 4,80%. O Banco Mundial prevê queda de 5,4% e o FMI queda de 5,8%. Explicam que a pandemia tem levado a economia mundial rumo à recessão. O IBGE divulgou queda de 9,7% do PIB brasileiro no segundo trimestre do ano, e diz que é a maior queda desde o início do indicador trimestral.

Com relação à taxa básica de juros, como ela se manteve em 2% ao ano, o mercado estima que será de 2,75% ao ano em 2020. A projeção para o dólar ficou em R$ 5,45. Para a balança comercial diminuiu a expectativa de saldo positivo de US$ 58,7 bilhões para US$ 57,9 bilhões. São os dados de matéria do jornal G1 da Globo.

Em outra matéria o jornal anuncia que o mercado de trabalho em outubro continuou a recuperar, embora a um ritmo menor, segundo o Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) da Fundação Getúlio Vargas. Isso é devido ao fato de que o auxílio emergencial encerra em dezembro. 

O Indicador Coincidente de desemprego (ICD) se manteve estável ao nível 96,4 pontos. A melhor situação deste indicador é quando o nível fica mais baixo. A estabilidade deste indicador sugere que haverá piora na taxa de emprego. O mercado de trabalho é o último indicador a mostrar sinais de recuperação na economia. No trimestre encerrado em agosto o desemprego bateu recorde e foi a 14,4% com 13,8 milhões de desempregados.

Enfim, todos os indicadores econômicos apontam para uma piora na situação do País. Temos a recessão econômica que somada com a pandemia, agrava ainda mais a situação.

A esmola dada pelo governo para os setores mais pobres da classe trabalhadora impediu uma penúria maior mas agora, com o fim desse auxílio, a situação se agrava, trazendo muitas repercussões negativas na economia.

O povo encontra-se em situação ameaçadora, seja pelo contágio do coronavírus (especialmente letal contra os mais pobres) ou o desemprego generalizado trará fome e miséria. O governo nada faz para pelo menos amenizar o sofrimento da classe trabalhadora. Nem política de combate ao desemprego e nem pandemia.

A única saída viável, portanto, é a mobilização da classe trabalhadora pelo fora Bolsonaro, o organizador principal de todos os ataques contra os trabalhadores, que não se nega a disponibilizar mais de 1,2 trilhão de reais aos bancos e grandes empresas enquanto se nega a manter um auxílio irrisório aos trabalhadores, sob o argumento mentiroso de que não há dinheiro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas