A luta nas telas do cinema

Filme “Chão” retrata a luta dos sem-terra

O filme da luta e resistência do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) pela reforma agrária e a repressão provocada por um grupo conservador ligado a latifundiários.

Tempo de Leitura: 2 Minutos

Cena do documentário “Chão”. – Foto: Reprodução

Publicidade

No Brasil a problemática da desigualdade e da concentração de grandes áreas de terras férteis pouco ou não utilizadas, teria como solução mais justa e produtiva a reforma agrária, porém os latifundiários e a mídia capitalista transformam a discussão sobre a temática em um campo de guerra, onde de um lado estão os “mocinhos” vítimas da selvageria dos “vilões” que querem tomar terras.

A manipulação das opiniões da grande massa, faz com que parcela considerável da população brasileira vejam de forma preconceituosa e pejorativa a luta pela justiça no campo e assim o apoio à causa dos trabalhadores rurais acaba enfraquecida, garantindo aos grandes latifundiários a legitimação e possibilidade de manutenção das desigualdades no campo.

Além desses fatores, a abordagem das notícias quando ocorre violência no campo contra os trabalhadores rurais é igualmente distorcida, sendo empregados termos e ênfases estratégicas que induzem a um ponto de vistas que põe os trabalhadores rurais como grandes vilões e ladrões de terras.

Como forma de combater preconceitos, quebrar tabus e apresentar a legitimidade da luta dos trabalhadores rurais em busca de justiça no campo e a diminuição das desigualdades, a cineasta Camila Freitas documentou e apresentou ao mundo no 69º Festival Internacional de Cinema de Berlim, realizado em 2019, o filme-documentário Chão.

Em Chão a luta pela terra e por Reforma Agrária Popular é a grande estrela. O longa metragem acompanha o dia a dia de uma ocupação do Movimento Sem Terra na Usina Santa Helena, em Goiás, e mostra a importância das ações do Movimento na vida das pessoas por uma vida digna.

O filme, que busca sensibilizar o público e fazê-lo refletir, tem como cenário a fazenda Santa Helena, que possui uma área com cerca de 15 mil hectares e que acumula aproximadamente R$ 1 bilhão em dívidas com a União.

As terras são ocupadas por aproximadamente 4 mil pessoas que passaram a ocupá-la em 2015, e a partir de então deu-se início uma perseguição ao MST pelo juiz da Comarca de Santa Helena e pelo Ministério Público Estadual, levando a prisão de dois militantes por formação de organização criminosa.

Para Camila Freitas o cinema documental se propôs a se aproximar de lutas e realidades sociais adversas em muitos momentos da história, mas essa tarefa vem se tornando cada vez menos a de “retratar”, “representar” povos oprimidos.

Ela destaca que o filme foi construído em estreita colaboração com o movimento, da pesquisa à montagem, e que desde 2019 vêm construindo estratégias de difusão. E completa dizendo que a aproximação com o MST se deu através do interesse comum pelo cinema como ferramenta da luta.

Camila afirma que um dos principais objetivos do documentário foi trazer à tona uma poética que se nutre do caráter épico da luta, bastante explorado por filmes engajados e políticos que a gente admira, junto a um registro mais micropolítico, íntimo e imersivo que nos aproxima das pessoas que a compõem.

Assim, através da arte cinematográfica, Camila Freitas busca, por meio do documentário Chão, proporcionar conexões e leituras sobre o MST e ser instrumento de politização e mudança, além de apresentar a necessidade de aprofundar a luta pela terra, contra o latifúndio, pelo direito a autodefesa dos trabalhadores da terra e exigir que seja feita a reforma agrária popular.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Populares na Rede
[wpp range="last24h" limit="3"]
NA COTV

70 ANOS DA REVOLUÇÃO CHINESA - COM RUI COSTA PIMENTA (CURSO COMPLETO)

262 Visualizações 3 horas Atrás

Watch Now

Send this to a friend