Cinema, a Greve Geral de 1917
Uma das maiores e turbulentas greves já realizadas no Brasil, em julho de 1917, que inspirou o cineasta Carlos Pronzato para rodar o filme “1917, a Greve Geral”.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
grevecapa (2)
Trabalhadores paralisados em São Paulo | Foto; Wikimedia Commons

Em um mundo, mais especificamente o Brasil, que vive uma tempestade de ataques contra a classe trabalhadora, com cortes de direitos antes considerados invioláveis, além da convivência com trabalho escravo, é imprescindível fazer um paralelo com o que aconteceu 103 anos atrás. É no universo do que se passou no começo do século passado, mais precisamente em São Paulo e com reflexos em todo o país, que o cineasta Carlos Pronzato se inspirou para rodar o filme “1917, a Greve Geral”. O documentário vem bem a calhar para os dias de hoje, onde mesmo com muitas lutas, poucas coisas mudaram de lá pra cá. Pois nos últimos tempos vem surgindo muitas manifestações, paralisações e greves que podem ser muito bem associada com a primeira paralisação, em que os operários trabalhavam em condições desumanas naqueles anos.

O diretor mergulhou nessa que foi uma das mais prolongadas e contundentes greves já realizadas no Brasil, em julho de 1917, e que sofreu brutal repressão do governo. Até hoje não se sabe exatamente quantas pessoas morreram nos confrontos, nos quais a polícia matava manifestantes nas ruas, no sabre e na bala, e promovia muito espancamento. “A questão social é um caso de polícia”, já chegou a relatar o presidente Washington Luís, ilustrando bem a maneira como a pauta era tratada. e a brutalidade que os trabalhadores sofriam.

Método de luta da esquerda, a greve foi muito comum no século 20, principalmente associada aos comunistas e anarquistas influenciados pela vitória popular na Rússia, que derrubou o czar Nicolau II em fevereiro daquele ano. Teve forte influência de anarquistas italianos que vieram morar no Brasil e foi deflagrada após o assassinato de um sapateiro espanhol, José Martinez, de 21 anos. Apesar da violência e desaparecimentos nunca explicados, a greve é considerada vitoriosa por ter atingido conquistas como aumentos salariais, redução de jornadas de trabalho e limitação à exploração da força de trabalho de mulheres e crianças.

O filme se baseia num longo trabalho de pesquisa na imprensa da época, além de entrevistas a especialistas e estudiosos do tema e consulta a trabalhos acadêmicos sobre o tema. São 90 minutos do registro histórico feito para celebrar o centenário da primeira vitória da classe operária e que arrancou várias conquistas. Carlos Pronzato é um especialista em abordar a temática política e operária, tendo vários documentários trazendo agora um momento de coragem e de luta da classe trabalhadora para ser visto e analisado num período que ela sofre um intenso processo de retrocesso no Brasil.

O documentário teve lançamento online nesta quinta (dia 30), às 19 horas, no canal do YouTube de Carlos Pronzato, no endereço https://bit.ly/2YzNGMy. Quem quiser colaborar com o cinema político e independente adquirindo o DVD de “1917, a Greve Geral”, para conservar e ou colecionar a sua versão física, é só entrar em contato pelo e-mail [email protected] Nesse caso, o investimento é de R$ 30,00 + frete. O filme “1917, a Greve Geral”, é uma obra que resgata o protagonismo da classe trabalhadora no Brasil, mas ainda precisamos de mais melhorias, precisamos de um estado operário!

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas