UFC 245: desforra brasileira!
Nigeriano Kamaru Usman aplica uma surra no falastrão Colby Covington e dedica a vitória a todos imigrantes nos EUA e aos brasileiros.
usman
Usman dá o primeiro knocking down no falastrão e mostra como se faz! |

Em luta realizada na madrugada do último sábado (14/12), em Las Vegas (EUA), pelo UFC 245, o conhecido falastrão Colby Covington foi derrotado pelo nigeriano Kamaru Usman por nocaute técnico no quinto assalto. A luta foi a principal da noite e era uma das mais aguardadas dos últimos anos. Covington, apesar de ter resistido até o último round, levou uma surra de Usman e teve a mandíbula fraturada, provavelmente ainda no começo da luta, além de várias escoriações no rosto.

A lutador estadunidense ficou conhecido mundialmente não por sua performance no octógono, mas pelas besteiras que tem falado contra oponentes, torcedores, imigrantes e povos de outros países. Como foi o caso da ofensa que desferiu contra os brasileiros em São Paulo, no UFC Fight Night 119 em outubro de 2017, quando venceu o brasileiro Demian Maia e disse: “Brasil, você é um chiqueiro. Todos vocês são animais imundos”.

Ele também desrespeitou diversas vezes K. Usman, dizendo que este não era o campeão verdadeiro, que o campeão ainda seria ele, chegando a ir assistir lutas de Usman e invadir eventos para atrapalhar a promoção do campeão. Covington, foi destituído do posto de campeão por Dana White por inatividade.

O lutador também é fã do presidente Donald Trump e tem feito propaganda da política demagógica da extrema direita norte americana, como quando desfila com um boné com o lema “Faça a América Grande de Novo”, slogan de Trump durante a campanha eleitoral que levou à Casa Branca. O lutador ainda fez questão de, em agosto de 2018, após se tornar campeão dos meio médios interino do UFC, derrotando o brasileiro Rafael dos Anjos, foi até à Casa Branca levar o cinturão a Trump, disparando: “Eu disse a todos que iria tornar a divisão dos médios novamente grande e agora vou comemorar como um americano de verdade deve comemorar o título mundial, e isso vai à Casa Branca ver Donald Trump e colocar isso em sua mesa, diferente das Águias de Filth-a-delphia, desrespeitando nossa bandeira e ajoelhando-se para o hino nacional.”

As Águias que Convigton se refere, é time de Futebol Americano de Filadélfia, o Philadelphia Eagles, que ano passado (2018) ao vencer o Super Bowl, foi barrado por Trump de visitar a Casa Branca por terem se ajoelhado durante a execução do hino estadunidense, um gesto que tem sido repetido por atletas de vários times e modalidades, em protesto pela repressão policial que a comunidade negra vem sofrendo em todo o país.

Colin Kaepernick iniciou os protestos na NFL.

 

O grande vencedor da noite Kamaru Usman, que aguentou muitas besteiras faladas por Covington nos últimos anos, antes da luta disse: “Essa luta é mais do que um cara falando merda. Essa luta significa muito pra mim. Quanto eu tiver a chance de por minhas mãos nesse cara, saiba que é ira de todo imigrante nesse país que eu vou colocar nele”

Após a bela vitória o Nigeriano desabafou e ainda mandou uma mensagem para os brasileiros: “Esta vitória é para pessoas do mundo todo. Não se pode plantar o ódio. O amor, às vezes, vence. ‘E aê Brasil, essa aqui é para vocês”. Usman, é casado com a brasileira Eleslie Usman.

A noite ainda teve a participação de vários brasileiros, como os ex-campeão José Aldo enfrentando outro brasileiro, Marlon Moraes, a brasileira Viviane Araújo de Ceilândia-DF, e principalmente, a atual campeã dos Galos e dos Penas, a baiana Amanda Nunes, que venceu mais uma e segue no topo, reconhecida como a maior lutadora de MMA da história.

O MMA é um esporte que tem crescido em todo o mundo e atraído atletas de todo o planeta, o sucesso dos brasileiros é notório, e possuem amplo domínio de várias categorias, além de terem, praticamente, criado o próprio esporte herdeiro do antigo “Vale Tudo”, além de ter criado o próprio UFC com a família Gracie, a qual levou o legado do Jiu-Jitsu brasileiro ao status de uma das principais artes marciais do mundo.

Não é raro, que volta e meia, apareçam atletas que se utilizam de discursos racistas, xenófobos, extremamente conservadores, como propaganda. Mas, é importante destacar, que estes atletas são como ferramentas muito bem utilizadas pelos grandes meios de comunicação para expor a política da burguesia reacionária. No caso dos Estados Unidos, os movimentos conservadores que são a favor da segregação racial, contra as liberdades individuais, direitos dos imigrantes e direitos democráticos em geral, são conhecidos há muito tempo. Assim, atletas como Colby Covington, são impulsionados ganhando espaço em meios de comunicação para fazer propaganda dessa política, que no momento, está sendo a ponta de lança da extrema direita estadunidense, veja o alinhamento e receptividade de Donald Trump com o lutador.

 

Relacionadas