Política
Fernando Henrique Cardoso faz propaganda da direita do centrão como sendo a única capaz de levar adiante a destruição dos direitos dos servidores, enquanto dá dicas a Bolsonaro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Fernando_Henrique_Cardoso_em_fevereiro_de_2013
Fernando Henrique Cardoso | Foto: Alessandro Carvalho

Em artigo publicado pelo Estadão com o nome “Dias sombrios”, o ex-presidente da república Fernando Henrique Cardoso aconselhou Jair Bolsonaro a atacar os servidores brasileiros. Para isso, o tucano que até pouco tempo atrás tentava se vender como “democrata” e opositor ao governo de Bolsonaro, se utilizou de demagogia, dizendo que o país está em uma situação horrível, com pessoas passando fome e morando nas ruas, o que levaria à necessidade de uma reforma administrativa que retirasse direitos dos servidores públicos para que a inflação, os juros e o desemprego fossem controlados.

Essa política não só demonstra como a direita tradicional, o chamado centrão, é claro apoiador da política de ataques que Jair Bolsonaro vem fazendo contra a população, como demonstra que a burguesia sente a necessidade de esfolar ainda mais a população para que a crise econômica e política seja controlada.

FHC disse, inclusive, que Bolsonaro deveria agir “como um verdadeiro líder” e não se preocupar com a perda de votos, mas que leve adiante a política de destruição dos direitos dos servidores para que a crise seja contornada. O pedido vai no sentido de que a população possa ficar descontente, já que esses ataques levam necessariamente à fome, ao aumento do desemprego, perda de poder de compra dos trabalhadores e muitos outros problemas, mas, em contrapartida, a burguesia conseguiria manter relativamente seus lucros e sugar o dinheiro do estado em benefício próprio para que o regime político não sucumba, como sugere o artigo ao dizer que o governo de Bolsonaro deseja “aliviar logo os problemas da população” e não pensa ao longo prazo. O longo prazo necessitaria, para FHC, de inúmeras mortes e sacrifício por parte da população, no sentido de garantir o governo da burguesia por muito tempo.

Nesse sentido, os anos de Fernando Henrique Cardoso à frente da presidência foram extremamente eficazes. O país viveu um período de extrema desindustrialização, com a privatização de inúmeras empresas para a burguesia imperialista. Nesse período, o Brasil chegou a ter cerca de 50 milhões de pessoas passando fome, o que só seria mitigado nos anos do PT com a política dos programas sociais.

O artigo de FHC também serviu para que fosse feita propaganda do PSDB e da direita do centrão para a burguesia, querendo demonstrar como essa ala da política burguesa possui mais condições de realizar o desmonte do estado do que Bolsonaro, que é visto com muitas ressalvas por conta de sua postura declaradamente fascista, enquanto o restante da direita consegue esconder um pouco mais sua ideologia.

No sentido principal, que é a maneira com que o governo trata a população, ambas as alas têm o mesmo objetivo: o de fazer a população passar fome para que a burguesia consiga se manter no poder.

Para impedir a retirada de direitos é preciso que os servidores se mobilizem contra essa política, pedindo o Fora Bolsonaro e levando adiante uma mobilização pela candidatura de Lula a presidência, única personalidade no Brasil capaz de mobilizar as massas para bater de frente com o bolsonarismo.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas