Festival contra Bolsonaro é censurado e ameaçado em Belém

No sábado (6), o festival de rock paraense Facada Fest foi censurado. A Polícia Militar impediu a realização do evento seguindo ordens do deputado federal bolsonarista delegado Éder Mauro (PSD/PA).

Organizado por integrantes de várias bandas de Belém, no Pará, o Facada Fest foi criado com o intuito de reunir bandas antifascistas de rock autoral do Pará. De acordo com os organizadores, o objetivo é “alavancar a cena da cidade convocando bandas antifascistas a misturar o rock às suas raízes de criticidade política e social, contra as ideias conservadoras, de exclusão e alienação criadas pela esfera elitista do país. Sobretudo agora, nós enquanto parte da população lançamos nossa voz de resistência e anarquia contra o governo de um acéfalo sem capacidade cognitiva que dirige o país”, enfatizam.

A censura ao evento gerou um protesto organizado pelos participantes do festival e por estudantes. Reunidos em torno do Palácio Antonio Lemos e indignados com a censura imposta ao evento sem nenhuma justificativa, as pessoas fecharam as ruas, acenderam fogueiras e barricadas e gritaram “Bolsonaro cheira pó!”, “Censura não nos cala” e “Abaixo a ditadura!”.

Meses antes da realização do festival, os organizadores receberam várias ameaças. No dia 17 de junho, por exemplo, o deputado federal delegado Éder Mauro(PSD/PA) publicou em suas redes sociais: “A turma da lacrosfera teen rock in roll, resolveu fazer um evento em Belém chamado Facada Fest, em ‘homenagem’ ao atentado sofrido pelo presidente Bolsonaro. O evento já está marcado no calendário da polícia. Será imperdível” #ForçaeHonra”. Dito e feito.

Também nas redes sociais, o vereador e filho de Jair, Carlos Bolsonaro (PSC/RJ) publicou uma foto do cartaz do evento com a frase: “Tá valendo tudo nesse país da putaria da esquerda. Está na hora de agir antes que seja tarde, porque eles já mostraram ao que vieram e não têm mais vergonha alguma de esconder isso!”.

Os organizadores do evento informaram em suas redes sociais que na quarta-feira (10), Uálame Machado, secretário de Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Pará, recebeu uma comitiva formada pelos organizadores do festival. De acordo com a nota, na reunião foram discutidas a realização dos próximos eventos do Fórum do Rock Paranaense e a proibição do III Facada Fest. Os organizadores afirmam que, de acordo com Machado, “não haverá nenhum tipo de censura ou proibição em relação ao evento, que, assim como outros eventos do Fórum, irá ocorrer normalmente no Mercado de São Brás”. Perseguido por motivos políticos, o Facada Fest foi censurado no último sábado (6). Porém, em breve, os organizadores divulgarão um novo local e data para a realização do evento.

Uma das marcas do Brasil do golpe, representado pelo governo de Jair Bolsonaro, é cercear a liberdade de expressão, censurar e ameaçar as pessoas que não compactuam com as suas ideias. É necessário combater estas atitudes fascistas. De acordo com Rui Costa Pimenta, presidente do PCO, “a esquerda não pode recuar dos espaços públicos, é necessário a unidade para enfrentar o fascismo”.