Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Presidential candidate Fernando Haddad of the Workers Party (PT) attends a televised debate in Sao Paulo, Brazil September 26, 2018. REUTERS/Nacho Doce
|

Numa entrevista ao canal do portal Brasil 247, a TV 247, o ex-presidenciável Fernando Haddad frisou que era um representante de “centro-esquerda”, mas o que exatamente é a tal centro-esquerda?

Haddad opõe a ideia de centro-esquerda a ideia de esquerda. Por exemplo, ele diz que o existe na Venezuela não é democracia, ele se recusa a defender o governo da Venezuela do imperialismo. Ele, na entrevista, não responde se iria ou não à posse de Maduro. O governo de Maduro é considerado de esquerda por quase todos no mundo político.

O sociólogo escolheu o termo centro-esquerda não por acaso, ele quer se distanciar dos movimentos sociais mais radicais, mais aguerridos e menos ligados à burguesia imperialista.

A centro-esquerda, como o próprio nome diz, é a ala esquerda do centro político. Este centro inclui, de acordo com o próprio Haddad, todo o bloco apoiador do PSDB, e os próprios tucanos, FHC seria de centro-direita, de acordo com o petista. Ele chegou a dizer que teriam elementos dessa tal centro-esquerda dentro do PSDB, PV e PDT.

Em um linguajar mais claro, o centro político que Haddad descreve seriam todas as correntes burguesas com aparência democrática, mesmo que seja apenas uma aparência. Exemplos destas correntes seriam o PSDB, o DEM, o PP, entre outras. Não por coincidência, estes partidos estão todos compondo a base de sustentação do governo Bolsonaro.

Haddad anuncia que é de centro-esquerda para poder formar uma frente, que ele chama de Frente Ampla, com os partidos de direita, pois é disso que se trata, que apoiam Bolsonaro. Uma política extremamente oportunista, pois se você forma uma frente com este partidos não pode ser para defender o interesse popular, pois eles são os inimigos do povo, e diga-se de passagem, os criadores de Bolsonaro. Foi a campanha odiosa dos tucanos e do imperialismo contra Dilma e o PT que alçou Bolsonaro a seu posto atual.

Haddad e toda a direita do PT quer ser aceita pela burguesia e para isso querem livrar-se de tudo aquilo que ela reprova, como é o caso da defesa da liberdade de Lula. No entanto, a aprovação da burguesia só seria dada se o PT deixasse de ser o que é, um partido de esquerda, ainda que moderado, ligado aos movimentos sociais. No fim, o sonho de Haddad é não ser de esquerda.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas