Caso Robinho
Ministra fascista do governo Bolsonaro saiu em defesa da prisão do ex-jogador
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
damares
Damares Alves | Foto: Sergio LIMA/AFP

Os acontecimentos recentes em torno do jogador Robinho, do Santos Futebol Clube, abriram uma nova oportunidade de a esquerda pequeno-burguesa revelar plenamente todo o seu conteúdo histérico e reacionário. Com efeito, inúmeras figuras e ativistas das redes sociais vieram a público exigir a demissão do jogador de futebol pelo fato de ter sido condenado em primeira instância por um suposto crime cometido na Itália. Agora, o caráter fascista deste tipo de campanha já mostrou sua cara: a ministra Damares Alves, fascista e inimiga das mulheres, está pedindo ativamente a demissão e prisão imediata de Robinho.

Disse Damares:

“Cadeia imediatamente, não tenho outra palavra para falar. Ainda cabe recurso, mas o vazamento dos áudios, gente. Querem mais o que? Cadeia. Nenhum estuprador pode ser aplaudido. O cara quer voltar para o campo para posar como herói”.

A declaração da ministra não deveria causar surpresa alguma. Afinal, não é a extrema-direita que vem fazendo a campanha de que “bandido bom é bandido morto”? Não foi o fascista Sérgio Moro quem idealizou o “Pacote Anticrime”? E, principalmente, não era a extrema-direita a base militante de todo o movimento fraudulento que levou à prisão do ex-presidente Lula? Sendo assim, Damares Alves apenas está fazendo jus à trajetória carniceira de seu campo político.

Mas e a esquerda, o que teria a ganhar com esse tipo de campanha? Absolutamente coisa alguma. Foi exatamente esse tipo de campanha que permitiu que o governo de Dilma Rousseff fosse derrubado e que o caminho para a fraude eleitoral de 2018 fosse pavimentado. Esse clima hipócrita, moralista e carniceiro somente contribui para o estabelecimento de um Estado policial, que tem na repressão e na punição o seu único método para resolver os conflitos sociais. E como o Estado é controlado pelos golpistas, a violência do Estado se voltará única e exclusivamente contra os trabalhadores e a esquerda.

Via de regra, qualquer campanha empreendida pela burguesia recebe o apoio dos setores mais direitistas da esquerda pequeno-burguesa. A Lava Jato foi um claro exemplo disso. E para isso acontecer, basta que a direita jogue uma “isca” de demagogia, que consegue arrastar uma quantidade inimaginável de charlatões pretensamente progressistas. E em certos casos, até mesmo depois de a “isca” sumir completamente, a esquerda pequeno-burguesa, pelo seu próprio caráter pequeno-burguês, não consegue romper com a política da burguesia. Novamente, recorremos ao caso da Lava Jato como prova.

A “defesa da mulher” é uma das mais podres e mais comuns “iscas” jogadas pela classe dominante. No futebol, por exemplo, esse expediente já foi utilizado incontáveis vezes. É o caso, por exemplo, de Neymar, melhor jogador do mundo e vítima de uma intensa perseguição do imperialismo. Para tentar desestabilizar o jogador, que acabou se machucando na Copa América, a burguesia fez uma campanha monumental para dizer que o jogador teria estuprada uma mulher. O crime não foi comprovado até hoje. O goleiro Bruno, que se tornou conhecido no Corinthians e no Flamengo, também é perseguido em todos os lugares que vá. Mais recentemente, foi hostilizado no Acre. O motivo? O jogador foi condenado por ter assassinado a mãe de seu filho, embora ele se diga inocente.

Se de fato o que está em jogo é a “defesa da mulher”, é preciso perguntar: por que Damares Alves se colocou no meio da campanha? A mesma ministra, há poucos meses, interveio diretamente para tentar impedir que uma criança estuprada tivesse seu direito ao aborto legal concedido. Damares Alves incentivou que fascistas fossem até o hospital onde a criança estava internada para tentar intimidá-la e obrigá-la a permanecer com o fruto de seu estupro.

O aparecimento de Damares Alves na campanha derruba, de uma vez por todas, o argumento de que pedir a prisão e a demissão de Robinho seria algo progressista. A posição da esquerda e de quem defende os interesses da mulher não pode ser outro a não ser o da defesa plena dos direitos democráticos. Vale lembrar, inclusive, que Robinho ainda será condenado em duas instâncias e está sendo julgado pelo mesmo tribunal fascista que condenou Cesare Battisti à tortura. A campanha pela prisão do jogador somente fortalecerá a extrema-direita fascista, inimiga número um dos oprimidos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas