Siga o DCO nas redes sociais

Entregando de bandeja
FBI vai organizar perseguição política e repressão no governo Witzel
Witzel vai a capital dos EUA entregar informaçõs privilegiados das forças repressivas e de infraestrutura do estado
Entregando de bandeja
FBI vai organizar perseguição política e repressão no governo Witzel
Witzel vai a capital dos EUA entregar informaçõs privilegiados das forças repressivas e de infraestrutura do estado
Governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel
Governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel

Na última quarta-feira (26) o governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel fechou uma parceria com Washington, segundo os órgãos da imprensa burguesa para aprimorar técnicas de investigação e inteligência no combate à criminalidade.

A tal parceria conta com o assinatura do governador do Rio e de Terry Wade, ninguém menos que o Diretor de Investigação Criminal do FBI (Federal Bureau of Investigation). O acordo trata de trocas de treinamento de informação entre a polícia do Rio de Janeiro e a agência norte-americana.

O governador também aproveitou sua visita para conversar com a USTDA (Agência de Comércio e Desenvolvimento dos EUA) dialogando com seu diretor-geral, Thomas Hardy. O tema foi financiamento e estudos nos setores de transportes, mobilidade e infraestrutura.

Witzel fez as seguintes declarações sobre as tais parcerias:

“Nossa parceria é focada no combate ao tráfico de drogas e armas. Também vamos trocar informações sobre segurança virtual para a proteção de dados públicos, além de fortalecer o combate à lavagem de dinheiro. Vamos trocar experiências”

“O governo vem dialogando com a USTDA para captar recursos para o estudo de modelagem do novo sistema de bilhetagem eletrônica metropolitano[…] Também apresentamos 17 estudos da Secretaria de Transportes, da Subsecretaria de Óleo, Gás e Energia, do Instituto Rio Metrópole e da Secretaria de Ciência e Tecnologia. A ideia é que sejam aprovados para financiamento nos próximos meses”

O intuito da visita fica claro, ceder um maior controle dos órgãos de repressão do estado para os americanos, assim como viabilizar a venda dos principais setores para as empresas estrangeiras, alguns dentre os projetos apresentados tratam de serviços ligados diretamente a CEDAE.

A presença dos norte-americanos no governo brasileiro fica mais intensa a cada mês desde o golpe. Embora a mídia e o próprio governador apresentem a coisa como uma parceria e uma troca de experiência, trata-se na verdade do acesso de privilegiados a informações e o controle sobre a polícia fluminense.