Fascistas a favor de estupro
Mesmo constando em lei o direito ao aborto em caso de violência sexual, direitistas protestam em hospital contra a vitima e não contra o estuprador
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
u9-600x400 (1) (1)
Extrema-direita na porta dos hospital | Foto: Reprodução

Vídeos na internet mostraram o momento em que manifestantes intolerantes da extrema-direita tentam invadir um hospital, onde estava uma criança de 10 anos de idade, vítima de abuso sexual há pelo menos quatro anos, passava por um procedimento de aborto, com a justificativa de que “impedir o aborto, seria uma violência maior que o próprio estupro”.

Na tarde do último domingo (16) , a nazista Sara Winter, divulgou o nome da garota e o local onde ela estava internada. Os fascistas contrários ao aborto – que é autorizado por lei em casos de estupro – foram ao local para protestar contra o procedimento.

O caso se tornou público depois que a menina deu entrada em um hospital da cidade de São Mateus, norte do Espírito Santos, sentindo dores no abdômen. Após exames, a equipe médica confirmou que a criança está grávida de cerca de três meses. A Justiça acatou um pedido do Ministério Público, para que fosse adotado a prática de aborto na vítima do estupro.

A criança relatou aos médicos que o tio a estuprava desde os seis anos e que não contou aos familiares porque tinha medo, pois sofria ameaças. O tio da menina foi indiciado por estupro de vulnerável e ameaça, e está foragido – nenhum dos “ativistas” que estavam na porta do hospital protestando contra o aborto, se mobilizou em qualquer sentido para ir atrás do algoz da criança.

O que essa turma da extrema-direita fez, foi colocar em risco a vida da criança violentada, que não tinha nem condições físicas para ter o filho, tentando impedir o procedimento do aborto e até organizaram uma invasão do hospital, que não teve sucesso.

A ministra dos “Direitos Humanos”, “Mulheres” e “Família”, dn ª Damares Alves, que já teve o descaramento de declarar que “mulheres são estupradas por não usarem calcinha”, tentou impedir exercício de um direito da vítima, expôs seu nome e comandou legião de delinquentes e oportunistas, começando uma campanha para pressionar a menina a levar a gravidez forçada adiante. Prometeu ‘ajudá-la’ e como se não fosse o suficiente, enviou na última quinta-feira “emissários” à cidade capixaba – onde a criança mora.

No ano passado, essa direita fez um acampamento em frente ao Hospital Pérola Byngton – que realiza abortos legais – para intimidar as mulheres que faziam o procedimento e agora estão querendo impedir na “marra” que os abortos legais sejam realizados.

Por essa razão que existe a urgente necessidade de criar grupos de autodefesa para combater esses fascistas. Essa “gente” não está nem um pouco preocupada em salvar vidas, pois estamos falando da mesma turminha que é contra a “intervenção estatal na economia”, mas é a favor da intervenção estatal em assuntos que diz respeito único e exclusivamente à mulher.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas