Nazistas se revelam
A associação de moradores da Vila Antônio Leite em Campina, amanheceu com símbolos nazistas e declarações de ódio a LGBTQ e negros nesta sexta
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Associação de moradores - São Leopoldo - 1
Fachada da Associação amanheceu vandalizada por Nazistas | Foto por: reprodução/facebook

Na madrugada desta sexta (03) fascistas atacaram a Associação de Moradores da Vila Antônio Leite, no bairro Campina, em São Leopoldo-RS com pichações nazistas e com a declaração “odeio viados e pretos” nas paredes externas.

Segundo moradores, o ataque pode ter sido feito por pessoas que moram nas proximidades que se incomodam com as ações da associação, principalmente pelas suas lideranças. A presidente, Sara Gonçalves, que é transexual e espírita e o vice-presidente Josué Silva que é evangélico, tem atuado fortemente nos últimos meses, principalmente durante a pandemia, distribuindo alimentos e desenvolvendo trabalho com jovens e crianças do bairro.

Sara, também trabalhou por oito anos no Grupo de Apoio à Diversidade (GAD) de São Leopoldo, o que a tornou uma liderança e referência para a comunidade. Afirmando que a associação ficou parada durante muitos anos, agora que estão trabalhando bem, há pessoas que se incomodam por serem eles à frente.

Ainda na sexta-feira (03) Sara registrou boletim de ocorrência, denunciando o crime de discriminação de raça e gênero e por apologia ao nazismo, cfe previsto na lei 7.716/89.

Desde o golpe de 2016 e todo o avanço da extrema direita, as figuras e grupos fascistas tem “levantado a cabeça” e tem se exposto nas ruas, atacando preferencialmente setores mais vulneráveis, a comunidade negra, a comunidade LGBTQ e outros, intimidando, agredindo e cometendo, inclusive, espancamentos e até assassinatos.

É preciso deixar claro que esse tipo de ataque fascista visa intimidar as pessoas, força-las a interromper determinada atividade que desenvolvem, a se calarem. É claro que é preciso combater essa intimidação de todas as formas, mas sem dúvidas a mais eficiente contra fascistas é a organização da população.

No caso específico de comunidades, como a da Vila Antônio Leite, é preciso criar um comitê de autodefesa, constituir um grupo de pessoas designadas a enfrentar fisicamente os fascistas e impedi-los de fazer seus ataques, expulsando-os da comunidade, inclusive.

Essa é a tarefa para todas as comunidades, todos os bairros da classe trabalhadora, para reagir a todos os tipos de ataques fascistas, inclusive da maior delas, os ataques da Polícia Militar, que é uma verdadeira máquina de matar preto e pobre. E os demais grupos como os LGBTQ são igualmente alvos. Portanto, só a organização dos moradores, constituição de comitês de autodefesa, com organização, treinamento e inclusive armamento, se possível, para proteger toda a comunidade. Impedir a invasão de casas, os sequestros, os assassinatos sem qualquer motivação pela polícia, entre outras barbaridades.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas