Fascistas atacam acampamento em Curitiba: Ocupar a cidade no 1º de Maio

tiros

Por volta das 4h da madrugada de hoje (28), um bando de fascistas que “rosnavam” palavras-de-ordem em apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro, atacaram, em Curitiba, o acampamento Marisa Letícia, no bairro Santa Cândida, nas proximidades da sede da Polícia Federal, onde está preso, ilegalmente, o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva.

No acampamento dormem ativistas de diversas regiões do País que protestam contra a prisão de Lula, desde o último dia 7.

Segundo relatos dos acampados foram disparados mais de 20 tiros e duas pessoas foram feridas, uma delas está hospitalizada. O companheiro Jeferson Lima de Menezes, de São Paulo, teve de ser encaminhado ao hospital com um tiro no pescoço.
Os covardes, autores dos disparos, no meio da escuridão, quando os acampados dormiam, fugiram após os tiros em carros e não foram identificados até o momento.
Como sempre a Polícia tão ágil para atacar e reprimir manifestantes da esquerda, trabalhadores e estudantes, nada viu, nada fez e alega que está “fazendo os registros necessários”.

Diante dessa covarde agressão, que se soma a outras como o espancamento de mulheres, padres etc. feitas pelos bandos fascistas durante a caravana de Lula pelo Sul do País, é preciso intensificar a mobilização rumo ao ato de 1 de Maio, em Curitiba.

Lula está preso em Curitiba. É lá que estão sendo atacados ativistas da esquerda que defendem a liberdade de Lula. É para lá que deve se dirigir todo o ativismo classista no Dia Internacional de luta da classe trabalhadora.