Derrotar o fascismo
Direita e extrema direita querem implantar um regime de terror contra a comunidade escolar que tem sido, nos últimos anos, um setor fundamental da luta contra o golpe de Estado
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
colegio-militar02OK-1
Ratinho Junior (PSD), durante anúncio do maior programa de militarização de escolas do Brasil | Rodrigo Felix Leal

Nesta segunda (26), o governador Ratinho Jr (PSD), anunciou a implementação, a partir de 2021 de 215 escolas militares no Paraná. A medida é uma ofensiva da extrema direita para impor um regime de terror dentro da Educação Pública e tem como objetivo combater a liderança da esquerda entre estudantes, professores e funcionários, que tem sido ponta de lança na mobilização contra os governos resultantes da fraude eleitoral de 2018, como os de Bolsonaro e de Ratinho.

A toque de caixa, o governo Ratinho “convocou” a comunidade escolar – mães, pais, ou responsáveis, professores, funcionários), diretores e estudantes – sem a assembleia ou discussão, para votar pela implantação das escolas militares. É um golpe contra o povo paranaense, que pretende enfiar goela abaixo uma medida que em qualquer discussão ampla com a comunidade escolar, seria completamente repudiada.

Isso porque, por mais que os estudantes de hoje não saibam o que foi a ditadura militar no Brasil, seus pais e avós com certeza sabem o que é viver sob um regime de terror e se negariam a ter seus filhos sob um regime assim ao saberem que é isso o que o governo golpista de Ratinho aprovou.

 

Balão de ensaio do fascismo

 

O investimento anunciado será de cerca de R$ 80 milhões, atingindo  – supostamente –  129 mil alunos. Trata-se do maior projeto do Brasil na área. De acordo com os próprio governador golpista:

“Esse programa será transformador para o Paraná. Para entregar a melhor educação do Brasil precisamos ampliar os projetos e trazer novas ideias.”

Em coletiva de imprensa ele destacou que

“a média das escolas cívico-militares no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) é 20% maior do que na educação tradicional” e concluiu que esse é um modelo vencedor. Se é vencedor, queremos ofertar essa modalidade. A implantação será feita de forma democrática”.

No entanto, o governo manobrou e a direita está em ampla campanha nas redes sociais, para criar um clima de apoio a medida ditatorial e reacionário do governo. Contra isso, é preciso opor uma campanha ainda mais agressiva, que denuncie do que se trata a medida e mais, tenha como desdobramente imediata uma mobilização junto as escolas, que prepare uma greve contra a a tentativa de implantar um regime de terror nas escolas do Paraná.

 

Como o governo golpista concebe a Escola com Fascismo?

 

“As escolas serão compostas por um diretor-geral e um diretor-auxiliar civis, além de um diretor militar e de dois a quatro monitores militares, conforme o tamanho da escola. No currículo haverá o aumento da carga horária, com aulas extras de português, matemática e valores éticos e constitucionais.”

Segundo o secretário estadual de Educação e do Esporte, o capitalista Renato Feder:

“Teremos aulas adicionais de português, matemática e civismo, para estudar leis, Constituição Federal, papel dos três Poderes, ética, respeito e cidadania. Os alunos vão estudar mais. E no ensino médio a principal mudança é a implementação da educação financeira… É um modelo que acreditamos para o futuro”.

É isso mesmo, os militares que deram o golpe de Estado de 1964 e de 2016, ensinarão aos filhos dos trabalhadores como “respeitar as leis” e as pessoas. Dizer isso para os paranaenses, que enfrentaram o Massacre de 29 Abril de 2015 é um deboche. Aqueles mesmos militares que usaram escopetas, bombas, balas de borracha e cães, tudo isso para que o governo Beto Richa – do qual Ratinho Jr era secretário de estado – roubasse a Paraná Previdência, ou seja, a aposentadoria dos servidores, sobretudo dos professores e funcionários de escola, a maior categoria do funcionalismo paranaense.

Mas não para por aí. O secretário de Segurança Pública, Romulo Marinho Soares, que tem experiência de dez anos como professor do Colégio Militar de Curitiba, disse que o objetivo é ampliar esse modelo para outros locais do Estado:

“Um aluno com essa formação sai muito focado para o seu objetivo, seja na formação acadêmica, na formação militar, na plataforma para empreender. Vamos montar um currículo voltado para esse novo conceito, que pede mais formação”, afirmou. “Ajudaremos a implantar esse programa com muita energia”.

Essas informações não devem deixar dúvidas a ninguém. Trata-se de um projeto da direita e da extrema direita para implantar dentro da Educação Pública um regime de terror contra a comunidade escolar, de centenas de milhares de estudantes, professores e funcionários que tem sido, nos últimos anos, um setor fundamental da mobilização da classe trabalhadora no país.

Processos na Justiça burguesa não impedirão o avanço da extrema direita

Por isso, é preciso mobilizar imediatamente contra a implantação dessas Escolas com Fascismo no Paraná, através de atos nas escolas que estão sendo escolhidas para serem militarizadas e preparando uma greve que tenha como questão principal barrar as escolas militares no Paraná.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas