São Paulo
O governador João Doria (PSDB) anunciou um plano para a reabertura das atividades econômicas a partir da próxima segunda (01). Isso no momento de pico da pandemia do Covid-19.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
doriaaa
Governador golpista de São Paulo | Foto: Reprodução.

O Brasil registra 377.711 casos confirmados e 23.606 mortes por Covid-19 até dia 26 de maio. Somente no estado de São Paulo, são 82.161 infecções e 6.163 mortes. Este último é o estado com maior número de doentes e o centro nacional de propagação da coronavírus.

A situação em São Paulo, dos pontos de vista sanitário e social, se agrava a cada dia. A taxa de ocupação das UTIs na Grande São Paulo está em 92,6% e as enfermarias em 78,4%. Na capital paulista, 88% dos leitos de UTIs estão ocupados. Em todo o território estadual, que abrange 645 municípios,  a taxa de ocupação geral é de 75,8% e as enfermarias de 57%. Os dados demonstram que a pandemia, se não chegou no seu pico, está prestes a chegar.

Nestes dois meses de política de isolamento social, a imprensa capitalista – Globo, Folha de São Paulo, Estadão, etc – fez uma campanha intensa em apoio ao governador João Doria (PSDB). O isolamento social, que nunca chegou a ser realidade para a esmagadora maioria do povo pobre e trabalhador, era pintado como a solução mágica para conter a propagação da pandemia. O governo de São Paulo foi tido como o exemplo para todo o país.

Uma farsa é sempre revelada. E a própria realidade desmascarou a farsa do isolamento social em São Paulo. João Doria anunciou que pretende retomar as atividades econômicas e comerciais, em quatro etapas, a partir da próxima segunda (01/06). Ocorreria a retomada gradual nos diversos ramos da economia, de acordo com a redução do número de casos, a taxa de isolamento social e a ocupação dos leitos de UTI. Os municípios que, até segunda-feira, registrarem aumento ou mantiverem a taxa de isolamento em 55%, reduzirem o número de casos por 14 dias seguidos e mantiverem a ocupação dos leitos de UTI abaixo dos 60% poderão proceder à reabertura. Periodicamente, o governo avaliaria a situação e poderia determinar a volta à quarentena.

A burguesia de conjunto pressiona os governos pela retomada das atividades econômicas, uma vez que lhes interessa salvar seus negócios e seus lucros. O plano de Doria é uma forma de atender as necessidades da burguesia, mas mantendo a fachada de que se preocupa com a população trabalhadora, que está sendo e será ainda mais exposta ao contágio e a morte.

É bem ilustrativo o fato de a reabertura das atividades estar sendo organizada no momento de pico da pandemia, onde se registram centenas de mortes diárias. Isso demonstra, uma vez mais, que a burguesia e seus governos não têm preocupação com a pandemia e a mortandade que está causando na população, que não tem a menor condição de se proteger, praticar o isolamento social e tampouco encontra atendimento adequado no frágil sistema público de saúde.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas