Menu da Rede

Antônio Carlos Silva

Luta contra o racismo

Farinha pouca, meu pirão primeiro

A luta contra o racismo deve ser feita pela mobilização e organização do povo negro, não através de medidas demagógicas promovidas pelo próprio regime

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Uma tendência da esquerda pequeno-burguesa do último período tem sido inventar palavras, criar conceitos, desenvolver teses confusas a respeito do racismo, para, finalmente… manter tudo como está.

Surgiu: empoderamento, africanização, afrocentricidade, aquilombar-se, racismo estrutural e institucional, lugar de fala, troca de gênero das palavras, por “x”, “e”, e tantos outros esquemas subjetivos que já perdemos a conta, e causa um tanto de perturbação se formos ver a fundo, mas que defendem a mesma política: a luta individual.

Os “novos” conceitos buscam apresentar um código moral de conduta, para que o cidadão, negro ou branco, qualquer que seja ele, se sinta moralmente repreendido quando pensar algo racista, quando manifestar algo racista. E que por essa auto reprimenda, promova a libertação dele próprio. É relativamente fácil perceber que isso não liberta ninguém.

Dentro do capitalismo, obviamente, a libertação individual só pode ser resolvida com a ascenção social do indivíduo, o que explica a quantidade de lideranças e representantes do movimento negro, cada dia mais e mais, buscando seu lugar ao sol dentro do sistema que dizima quase milhares de negros ao ano, no tiro. O sistema dos golpistas, da repressão dos fascistas.

Professores, educadores, advogados, economistas, funcionários públicos, servidores da imprensa venal, geralmente como colunistas, integrantes da classe média. Mestrandos e mestrados, doutorados, especialistas, todos se lançam em busca de uma migalha caída da mesa da direita, o que é simplesmente vergonhoso. Editais, concursos, é o salve-se quem puder.

As soluções apresentadas por esses grupos não colocam em questão a derrubada violenta do regime dos racistas, única saída possível para que o negro possa ter, de fato, um peso social verdadeiro, um poder político real. As saídas são institucionais (que também não funcionam), e a classe média do movimento negro se apresenta como uma “alternativa”, seja para os racistas, seja para a sobrevivência social dela mesma.

Foi justamente o que aconteceu com Sílvio Almeida, um dos teóricos do racismo estrutural, que foi obrigado a se explicar pelo fato de fazer parte do comitê-farsa do Carrefour de combate ao racismo. 

Essa ação se somou à posição escandalosa e covarde de Jones Manoel, que falou que não tinha que ter protesto violento diante da execução de João Alberto, por estrangulamento realizado pelos seguranças do Carrefour. Para Jones, é preciso ficar em casa e esperar que tudo se resolva. A política mais tradicional da esquerda classe média: não fazer nada, até porque, enquanto classe social, ficar paralisado é bem mais a cara dessa esquerda.

A mobilização do povo negro foi abandonada como método de luta. Finalmente, são pobres que não possuem tantos recursos quanto os citados acima, por isso mesmo abandonados por essa esquerda. 

Não vamos nem mencionar a imprensa independente. Agora, aparentemente, existe um departamento de recursos humanos da imprensa golpista que está aceitando currículos negros, dos alforriados, para não ficar muito escandaloso ficar apenas com os alemães na imprensa brasileira. 

Para que não existam mais casos como o de João Alberto, é preciso mobilizar o povo, por meio de manifestações massivas, de rua, em torno de suas reivindicações mais elementares, como o fim da Polícia Militar e dos aparatos repressivos que massacram o povo negro.

É preciso de organização, de um programa próprio de luta do povo negro, que consiga, efetivamente, por fim ao massacre que sofre a população negra, especialmente depois do golpe de Estado. 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.