Falsificar a história para repeti-la: extrema-direita quer tirar indenizações de vítimas da ditadura

Bolsonazi

As notícias em torno do governo fraudulento de Jair Bolsonaro e sua ignóbil camarilha tomam conta do cenário nacional.  Na noite dessa segunda-feira (18), o capitão boçal informou através de sua rede social que o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos vai realizar uma auditoria acerca das indenizações concedidas às vítimas da ditadura militar (1964 –1985).

Toda essa movimentação se deu 13 dias após a ex-presidenta Dilma Rousseff, – derrubada em 2016 pelo golpe que engendrou o regime atual – afirmar que teria sido vítima do governo termidoriano dos militares, a qual foi por mais de três anos submetida à tortura. Sabemos, portanto, que de agora em diante a tresloucada ministra Damares Alves será a responsável por dar seguimento à tarefa de dificultar e impedir que se realize tais indenizações.

É preciso deixar claro o que é a direita. Depois de torturar, prender arbitrariamente, difamar e matar, agora querem “rever” as indenizações para as vítimas que sobreviveram ao horror da ditadura militar. Isso não é apenas uma monstruosidade de um governo desumano. A direita defende essas ações porque quer inclusive repeti-las. Por isso a luta contra o fascismo é tão importante neste momento. O governo tem fortíssimas inclinações autoritárias e fascistas. É preciso organizar comitês de luta contra o golpe para enfrentar esse governo.

Segue abaixo, a postagem de Jair Bolsonaro (@jairbolsonaro) no Twitter:

Seguindo a determinação de transparência e responsabilidade com os recursos públicos, prioridade em nosso governo, a ministra @DamaresAlves realizará auditoria dos benefícios suspeitos concedidos a “vítimas da ditadura” nos últimos anos pela Comissão da Anistia.