Siga o DCO nas redes sociais

Modelo Chileno faliu
Faliu no Chile modelo de Previdência que direita quer impor no Brasil
Fundo da Previdência do Chile aumentado em 60%. Além dos 10% anteriores, em que só o empregado contribuía, agora, patrões e governo, contribuirão com 3% de cada.
empréstimo-consignado-para-aposentados-com-nome-sujo.
Modelo Chileno faliu
Faliu no Chile modelo de Previdência que direita quer impor no Brasil
Fundo da Previdência do Chile aumentado em 60%. Além dos 10% anteriores, em que só o empregado contribuía, agora, patrões e governo, contribuirão com 3% de cada.
foto reprodução Aposentados Chilenos preferiam suicidar-se à sujeitar-se às míseras aposentadorias
empréstimo-consignado-para-aposentados-com-nome-sujo.
foto reprodução Aposentados Chilenos preferiam suicidar-se à sujeitar-se às míseras aposentadorias

Após quase 60 dias de chilenos sublevados nas ruas, presidente Piñera descobriu que os 10% de contribuição para a Previdência, – todo ele suportado pelos próprios trabalhadores -, eram insuficientes para uma aposentadoria minimamente digna. Assim, nesta quarta-feira, (15), o presidente chileno anunciou que as contribuições destinadas ao fundo para a previdência serão incrementadas em 60%. Ao invés da contribuição por trabalhador ser de 10%, a contribuição agora será de 16%. O que é melhor, o acréscimo do percentual de 6% por trabalhador, desta vez não será o trabalhador a arcar, com o ônus. As empresas que nada contribuíam para o fundo previdenciário vão agora arcar com 3%. Os outros 3%, o governo do Chile destinará com verbas específicas do orçamento público.

Os recursos virão de um aporte inédito dos empregadores. A medida foi tomada em meio ao levante geral da população que parou todo o país desde outubro.

Chile joga a toalha: o modelo chileno imprestável, que o Brasil do Golpe copiou

O modelo de previdência tida como “modelo” para Guedes e Bolsonaro, o presidente do Chile acaba de jogar no lixo. O modelo faliu. É imprestável. O modelo de previdência do Chile foi colocado em xeque pelo povo sublevado nas ruas desde Outubro de 2019. O levante dos chilenos colocou de joelhos o governo de direita. Nas ruas, povo arrancou reajuste das aposentadorias em 50%, além de outras demandas também. Piñera disse que enviará esta semana ao Congresso um projeto de lei com um aumento gradual na contribuição da previdência. Esclareceu o presidente do Chile que, desta vez, o novo fundo será financiado pelas empresas e pelo próprio governo, que fará aporte inicial, para fazer frente às aposentadorias majoradas em 50%.

O jornal “El Mercurio”, noticia que a reforma representa uma mudança estrutural e cria um sistema previdenciário baseado em três pilares: a poupança individual (financiada pelos trabalhadores e empregadores), o Pilar Solidário (financiado pelo Estado) e por último um Pilar Coletivo e Solidário (financiado por empregadores com aporte inicial do governo).

Chilenos sublevados

A providência surge após quase três meses de grave crise social e política no país. A revolta generalizada começou por causa de um aumento nos transportes. Foi a centelha que incendiou o Chile, e povo, das ruas não mais saiu.

“Chilenos sublevados mostram o caminho”, Nivaldo Orlandi, colunista do Jornal Causa Operária relatava conquistas, resultado das mobilizações. “O que não foi conseguido em 30 anos, em pouco mais de 30 dias, as conquistas vieram aos borbotões”, – Cancelado o aumento da tarifa do metrô; – Cancelado o aumento da conta de luz; – 40 horas, a nova jornada semanal de trabalho; – Reajuste de todas as aposentadorias; e até o impensável, a redução pela metade dos gordos vencimentos dos deputados, senadores, ministros e do presidente do Chile”.

As manifestações duramente reprimidas, 29 mortos e milhares de feridos, 290 cegos pela repressão dos carabineros, desde o dia 18 de outubro. Não só a previdência foi colocada em xeque, mas todo o governo de direita, Piñera, sucessor de Pinochet.

Sistema previdenciário chileno em xeque

Atualmente, os trabalhadores chilenos fazem a própria poupança em uma conta individual, em vez de o recurso ser destinado a um fundo coletivo. Eles são obrigados a depositar no mínimo 10% do salário por 20 anos para se aposentar. O governo e os patrões não fazem contribuições no Chile para a Previdência. É esse modelo falido, imprestável, que Piñera acaba de descartar, que golpistas do brasil copiaram e querem no Brasil implantar. No Chile, o dinheiro das pensões e aposentadorias ficam sob o controle de Administradoras de Fundos de Previdência (AFP), instituições financeiras privadas implementadas durante a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

Esse também é o intuito de Guedes, colocar as aposentadorias do Brasil na mão dos abutres banqueiros privados.

O sistema Chileno, é criticado pelo baixo valor das aposentadorias, que ficam em tordo de 40% inferior ao mínimo benefício necessário para cobrir as necessidades básicas dos idosos. Aposentados no Chile preferiam suicidar-se,  a sujeitar-se a sobreviver com as miseráveis aposentadorias e pensões.

O modelo de Previdência do Chile, imposto na ditadura de Pinochet, é tido como modelo por Guedes e Bolsonaro. Próximos passos, a contribuição de 3% ora proposta para os empresários, possivelmente será repassado para o povo. Outra possibilidade é fazer como no Brasil, aumentar ainda mais a contribuição dos próprios trabalhadores.