Fascismo sob escolta
Aglomerações públicas estão proibidas na Hungria devido ao Covid-19, exceto para os fascistas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
transferir (1)
Manifestação na Hungria | Foto: Reprodução/Euronews

A extrema-direita manifesta-se nas ruas de Budapeste sob a proteção da polícia. Isso mesmo, a polícia lá na Hungria como aqui no Brasil está a serviço de massacrar a população e proteger os fascistas em suas manifestações.

É preciso dizer que as grandes aglomerações públicas estão proibidas na Hungria devido ao surto de Covid-19, mas a restrição não vale para as manifestações fascistas. Esta sexta-feira milhares de pessoas juntaram-se em Budapeste para duas manifestações distintas, mesmo que o objetivo fosse comum: homenagear as vítimas de um assassinato duplo na semana passada na capital húngara.

Contudo, o movimento foi capturado pela extrema-direita sob a proteção da polícia. Os grupos fascistas passaram aos cânticos abertamente racistas em que pese não serem eles, os fascistas, aqueles que convocaram o ato.

Perante os rumores, nunca confirmados, de que o atacante era de etnia cigana, o caso foi aproveitado pela extrema-direita para exigir o fim dos programas de integração em vigor e o reforço da vigilância policial.

Merece destaque a a atuação da polícia, ou a falta dela, perante estas manifestações ilegais, bastante criticadas no país. As forças de segurança são acusadas de ter dois pesos e duas medidas, sobretudo se compararmos com a atitude num protesto da semana passada.  O tratamento dado aos grupos fascistas foi o de proteção completa.

Sob protestos contra a manobra da direita os húngaros foram desafiados a buzinar se estivessem insatisfeitos com o governo de Viktor Orbán e Budapeste ressoou um buzinaço ensurdecedor.  Ao que a polícia respondeu com a aplicação de multas superiores a dois mil euros aos que protestavam.

Verdade é que o direitista, o Primeiro-ministro húngaro foi reeleito três vezes seguidas (com fraudes sucessivas) com um discurso centrado na etnia e no medo dos imigrantes. Orbán é considerado um “tirano moderno”, e representa a ascensão do fascismo na Hungria.

A Hungria tem o povo que luta nas ruas apesar da repressão. É necessário intensificar as lutas e derrubar Orbán com uma grande greve geral.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas