Crise na Itália
Inicio de convulsão social ameaça toda a Europa.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
napolies
Sequência de imagens mostra o momento em que a população ataca uma viatura da polícia que foge. | Foto: Reprodução

Grandes protestos ocorreram nessa sexta feira (23/10) na cidade de Nápoles, Itália. Os protestos ocorrem devido a decisão do governador Vincenzo De Luca por um novo bloqueio depois que a disseminação da Covid-19 atingiu um novo recorde diário, 19.143 novos casos da doença. O primeiro-ministro Giuseppe Conte já havia se manifestado na quarta feira, pedindo aos italianos que fizessem “pequenos sacrifícios” para combater o vírus, como evitar viagens desnecessárias, para que o governo não tenha que impor restrições mais duras.

A situação se agravou com milhares de pessoas nas ruas em enfrentamento com a polícia, houve invasões de escritórios regionais do governo. Aos gritos de “Liberdade!” a multidão enfurecida avançou sobre a polícia com garrafas, bombas de fumaça, paus e pedras. Foi erguida uma barricadas usando recipientes de lixo e em seguida incendiada. A polícia revidou com gás lacrimogêneo.

Também houve protestos em Salerno e foi decretado toque de recolher noturno, no entanto a população ignorou e seguiu protestando até as 5 horas da manhã do dia seguinte. Vídeos postados nas redes sociais mostram a população atacando policiais que ficaram encurralados e recuaram.

Os protestos favorecem o discurso da extrema direita italiana, segunda força política do país, que se opôs ao lockdown desde o início da pandemia devido a suas consequências econômicas. A extrema direita explora a contradição da burguesia no poder que não tendo uma saída real para a crise de saúde, apela exclusivamente para a quarentena, o que representa no máximo uma medida de contenção da doença.

A quarentena na Itália foi muito longa, a Itália foi o primeiro país do mundo a introduzir um bloqueio nacional estrito, em 9 de março, depois que o vírus rapidamente dominou o sistema de saúde na região norte da Lombardia. Somado a isso, a falta de assistência aos trabalhadores e pequenos comerciantes, está permitindo o desenvolvendo de uma profunda crise social que possibilita a ampliação da base desses grupos fascistas.

A situação explosiva da Itália pode indicar uma tendência em toda a Europa, onde já se fala em uma segunda onda de contágio do coronavírus. O crescimento da insatisfação popular e o agravamento da crise econômica nesse quarto trimestre pode comprometer as vendas de final de ano agravando ainda a mais a crise. As implicações de evolução desses acontecimentos na Europa afeta todo o mundo e devem ser acompanhadas com atenção para orientar o política da esquerda, inclusive no Brasil.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas